Forças Armadas: Recrutamento tem défice de 5000 efetivos

Ministro Azeredo Lopes diz ser difícil tapar a curto prazo défice de recrutamento nas Forças Armadas

Há um défice de recrutamento para as Forças Armadas "ao nível dos 5000 efetivos", disse esta terça-feira o ministro da Defesa no Parlamento.

"Há esperança de [...] conseguir números bastante consistentes" na falta de tantos efetivos nesta legislatura, eventualmente de colmatar o défice criado pelo "acumular de cortes" financeiros nos últimos dois anos, adiantou Azeredo Lopes, depois de questionado sobre a matéria pelo PSD.

O deputado José Manuel Medeiros (PS) argumentou que o debate sobre essa matéria voltará a equacionar a existência de um serviço militar obrigatório, que em Portugal foi extinto em 2004.

Sobre a construção de dois navios asfalteiros para a Venezuela, em Viana do Castelo, o secretário de Estado Marcos Perestrello disse existirem sinais de Caracas "não querer continuar" o contrato (que foi assinado com a extinta empresa pública ENVC).

Marcos Perestrello defendeu que o assunto deve ser "tratado com muita cautela" nos planos político e negocial "para não haver mais prejuízos" para as empresas portuguesas envolvidas.

Ler mais

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".