Forças Armadas: Recrutamento tem défice de 5000 efetivos

Ministro Azeredo Lopes diz ser difícil tapar a curto prazo défice de recrutamento nas Forças Armadas

Há um défice de recrutamento para as Forças Armadas "ao nível dos 5000 efetivos", disse esta terça-feira o ministro da Defesa no Parlamento.

"Há esperança de [...] conseguir números bastante consistentes" na falta de tantos efetivos nesta legislatura, eventualmente de colmatar o défice criado pelo "acumular de cortes" financeiros nos últimos dois anos, adiantou Azeredo Lopes, depois de questionado sobre a matéria pelo PSD.

O deputado José Manuel Medeiros (PS) argumentou que o debate sobre essa matéria voltará a equacionar a existência de um serviço militar obrigatório, que em Portugal foi extinto em 2004.

Sobre a construção de dois navios asfalteiros para a Venezuela, em Viana do Castelo, o secretário de Estado Marcos Perestrello disse existirem sinais de Caracas "não querer continuar" o contrato (que foi assinado com a extinta empresa pública ENVC).

Marcos Perestrello defendeu que o assunto deve ser "tratado com muita cautela" nos planos político e negocial "para não haver mais prejuízos" para as empresas portuguesas envolvidas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.