Forças Armadas "desmentem categoricamente" existência de relatório da secreta militar

Estado-Maior General diz desconhecer existência de qualquer documento feito sobre Tancos pelo seu Centro de informações militares

O Estado-Maior General das Forças Armadas "desmente categoricamente" que o Centro de Informações e Segurança Mlitares (CISMIL) tenha feito qualquer relatório sobre o furto de material em Tancos.

A afirmação foi feita ao DN pelo porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas (EMGFA), tenente-coronel Hélder Perdigão, na sequência da manchete deste sábado do jornal Expresso.

General Pina Monteiro, chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas

O EMGFA também "desconhece qualquer outro documento com o teor das afirmações publicadas no artigo em causa", declarou Hélder Perdigão.

O Expresso diz na sua edição deste sábado que há um "documento secreto elaborado pelos serviços de informações militares", sobre o furto de material de guerra nos paióis de Tancos, onde imputa responsabilidades "ao nível político e chefia militar" pelo estado em que estavam as infraestruturas.

O jornal adianta que, "segundo o documento, todo o incidente evidenciou 'fragilidade de liderança e capacidade de gestão da crise, quer ao nível militar, quer ao nível político'".

Note-se que, oficialmente, não foi pedido qualquer relatório ao CISMIL sobre aquele assunto por parte do ministério, do EMGFA ou do próprio Exército.

Acresce que o CISMIL não tem competências para fazer análises daquele teor.

Segundo o Expresso, o alegado relatório analisa e comenta as posições tomadas pelo ministro da Defesa e pelo chefe do Estado-Maior do Exército (CEME), considerando que Azeredo Lopes agiu com "ligeira [e foi] quase imprudente", exibindo "arrogância cínica" e fazendo "declarações arriscadas e de intenções duvidosas".

Quanto ao CEME, o jornal diz que o general Rovisco Duarte "é acusado de ter assumido a responsabilidade 'mas não ter tirado consequências desse ato'".

O CISMIL, de acordo com a lei, "tem por missão assegurar a produção de informações necessárias ao cumprimento das missões das Forças Armadas e à garantia da segurança militar", cabendo-lhe "promover, de forma sistemática, a pesquisa, a análise e o processamento de notícias e a difusão e arquivo das informações produzidas".

Em particular, cabe ao CISMIL "comunicar às entidades competentes para a investigação criminal e para o exercício da ação penal os factos configuráveis como ilícitos criminais, salvaguardado o que nos termos da lei se dispõe sobre segredo de Estado", assim como "as notícias e as informações de que tenha conhecimento e respeitantes à segurança do Estado e à prevenção e repressão da criminalidade".

Costa e Marcelo desconhecem

O primeiro-ministro, António Costa, disse hoje desconhecer "em absoluto" um relatório das secretas sobre o furto de armas em Tancos, não querendo comentar no detalhe o assunto "no meio de uma campanha eleitoral".

"Obviamente que não vou tratar assuntos desta relevância no meio de uma campanha eleitoral. A única coisa que queria dizer é que desconheço em absoluto esse relatório", vincou Costa, falando em Lagos numa ação de campanha para as autárquicas de outubro.

Também Marcelo Rebelo de Sousa não conhece esse relatório. "Não li sequer a notícia sobre o relatório. Mas ninquém esperaria que o Presidente da Republica comentasse uma notícia sobre um relatório secreto, que naturalmente tem a sua confidencialidade, se é que existe naqueles termos, tem a sua confidencialidade e portanto deve chegar por outros meios", afirmou o presidente, salientando" contudo o que já afirmou anteriormente: Os portugueses esperam e o Presidente da República espera que haja o apuramento de uma realidade que é muito importante e que é: houve ou não atuação criminal, se houve em que é que se traduziu e quem são os responsáveis".

Oposição lança mais críticas e pede esclarecimentos

A propósito do relatório, o líder do PSD acusou o Governo de "tiques de autoritarismo" por ocultar ao parlamento informações sobre o furto de material de guerra em Tancos e questionou se o Presidente da República está a par do relatório.

"Não sei se o senhor Presidente da República está a par do que se passa, mas o parlamento não sabe de nada, temos de comprar o Expresso ao sábado para saber o que se passa com o Orçamento, para saber o que passa com os paióis militares, para termos as notícias que o Governo tem a obrigação de prestar ao parlamento?", questionou Pedro Passos Coelho.

A presidente do CDS-PP, Assunção Cristas, por seu lado, disse que o ministro da Defesa "não esteve à altura das suas responsabilidades" e "do cargo que desempenha" no caso do desaparecimento de armas de guerra em Tancos.

"Este relatório vem confirmar aquilo que foi sempre a preocupação e a linha do CDS, quando afirmou que o ministro da Defesa não esteve à altura do seu lugar e das suas responsabilidades", afirmou aos jornalistas Assunção Cristas, adiantando que o partido "não mudou de opinião" quanto à demissão de Azeredo Lopes, que "naturalmente tem de ser responsabilizado por esta situação".

A coordenadora do BE, Catarina Martins, afirmou que continua "a aguardar esclarecimentos cabais do Governo" sobre o furto de armas em Tancos, mas escusou-se a comentar o relatório.

"Como compreende eu não posso comentar um relatório que não conheço. O relatório é secreto, é dos serviços de informações, há notícias sobre o relatório, mas nós não conhecemos o relatório. Sobre essa matéria não posso dizer absolutamente nada", respondeu Catarina Martins aos jornalistas durante uma ação de campanha autárquica em Amarante, distrito do Porto.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".