Força Aérea. Urgente qualificar pilotos-aviadores que aguardam oportunidade

Base aérea do Montijo comemora 65º aniversário no meio da incerteza sobre impacto das obras de adaptação ao tráfego aéreo civil.

O comandante da base aérea do Montijo (BA6) alertou esta quarta-feira para "a urgência" de "iniciar a qualificação" dos pilotos-aviadores ali colocados e que continuam "a aguardar por uma oportunidade".

O coronel piloto-aviador Hélder Rebelo intervinha nas cerimónias do 65º aniversário da BA6, cujo futuro está marcado pela incerteza quanto ao início das obras de adaptação para receber a aviação comercial e às consequências sobre o dispositivo de forças da Força Aérea.

Implícito naquele alerta do comandante da base, que tem como uma das suas responsabilidades o treino e formação das tripulações dos helicópteros EH-101 e das aeronaves C-130, C-295 e Falcon50, estão as restrições financeiras dos últimos anos.

Perante o chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Manuel Rolo, e antigos comandantes da base, Hélder Rebelo manifestou depois a sua convição num "aumento gradual da prontidão" das esquadras e num "melhor equilíbrio entre os compromissos operacionais e as missões de treino e qualificação" - necessários para manter o cumprimento das respetivas missões.

Fatores essenciais nesse processo são o das qualificações e do número de horas de voo que permitem mantê-las, que no caso dos pilotos-aviadores afeta em particular a formação de pilotos comandantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.