FNE diz que alterações a cursos de professores deviam ser mais aprofundadas

A Federação Nacional da Educação (FNE) defendeu hoje que as alterações aos cursos de professores podiam ter ido mais longe, advertindo que os mestrados devem ser ministrados por quem tenha experiência do quotidiano nas escolas.

"Partilhamos as críticas do Conselho Nacional de Educação (CNE) relativamente à falta de fundamentação da proposta que foi apresentada e ainda porque nos parece que fica aquém daquilo que era necessário fazer", disse à agência Lusa o secretário-geral da FNE, João Dias da Silva.

"Sem deixar de ter em linha de conta que aquilo que é introduzido não merece observação negativa, falta-lhe a coerência e a congruência, com uma apreciação mais profunda daquilo que deve ser a formação inicial de professores", afirmou.

A FNE gostaria de ver a questão "mais aprofundada", nomeadamente ao nível da transição da licenciatura para o mestrado.

"O ciclo de mestrado (2.º ciclo) deve ser eminentemente prático, com a garantia de intervenção na condução desse ciclo de pessoas conhecedoras daquilo que é a realidade prática das escolas", declarou.

Para a FNE, dever ser obrigatório os mestrados serem lecionados por pessoas que tenham dado aulas nas escolas.

A estrutura sindical afirma ainda que o documento do Governo é "pouco claro" relativamente às condições que são atribuídas às escolas para prestarem apoio aos professores que vão estar em aulas observadas.

"Este trabalho de preparação de aulas para serem observadas por pessoas que estão em formação exige formações adequadas, exige tempo para a preparação, exige tempo para a avaliação, exige tempo para estudo e reflexão e isto não está vertido no diploma", criticou.

O Governo aprovou na quinta-feira novas regras para os cursos de professores e educadores, que terão ciclos de estudo mais longos e maior articulação entre a formação e a área que os candidatos vão ensinar, segundo o ministro da Educação.

"Há um aumento da duração dos mestrados em educação pré-escolar e em ensino do 1.º Ciclo do Básico de dois para três semestres, há um aumento do mestrado conjunto em educação pré-escolar e ensino do 1.º Ciclo de três para quatro semestres", disse Nuno Crato, ao definir as principais alterações, no final da reunião do Executivo.

O ministro citou igualmente a fixação em quatro semestres dos restantes mestrados, o desdobramento do mestrado em ensino do 1.º e 2.º Ciclo em duas áreas, separando a formação dos docentes (2.º Ciclo) de Português, História e Geografia dos de Matemática e Ciências Naturais.

A medida permite uma maior especialização dos docentes no 2.º Ciclo, defendeu o ministro.

Nuno Crato avançou também o desdobramento do mestrado em ensino de História e Geografia no 3.º Ciclo, ajustado às formações atuais, uma vez que História e Geografia têm neste momento licenciaturas separadas, justificou.

O ministro disse também que serão eliminados mestrados sem correspondência atual com os grupos de recrutamento, sem precisar quais.

O novo regime entrará em vigor no ano letivo 2015/16, pelo que as escolas "terão tempo" para se prepararem, indicou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.