Fim dos copos de plástico "não depende só da boa vontade das cervejeiras"

Câmara está a conversar com governo sobre estratégias para penalizar ou desincentivar prática, como se fez nos festivais, revela Duarte Cordeiro, vice-presidente da autarquia

Ao nascer do Sol no Cais do Sodré, o cenário é sempre o mesmo: os moradores que saem para uma corrida matinal ou para ir comprar pão, por exemplo, têm de avançar por entre uma maré de copos de plástico e tapar o nariz para sobreviver ao cheiro de álcool e urina misturado no ar. É o resultado menos glamoroso das oito horas de diversão, música e convívio que centenas de pessoas aproveitaram na Rua Cor-de-Rosa. Um cenário que a Câmara de Lisboa está empenhada em apagar desta e de outras zonas tipicamente destino de saídas à noite, como o Jardim de Santa Catarina ou o Arco do Cego.

"Já o fizemos nos festivais de verão e com sucesso. Entendemos que a logística é diferente, porque não são só três ou quatro dias, mas é possível acabar com os copos de plástico não reutilizáveis", diz ao DN o vice-presidente, Duarte Cordeiro. O vereador com o pelouro dos serviços urbanos (em que se inclui a higiene e resíduos) confirma mesmo que já há conversações em curso com o governo nesse sentido. Apesar de ser uma situação específica de determinadas ruas da cidade, a câmara não tem poderes para mais do que retaliar reduzindo o horário de funcionamento dos bares, por exemplo, explica. E aqui é preciso mais.

"A solução tem de passar por alguma forma de penalização ou medida que desincentive a utilização deste tipo de copos de plástico mais fininho, que são extremamente poluidores." E por isso mesmo as propostas que Duarte Cordeiro aponta passam pela criação de um mecanismo de taxas de utilização ou um fundo ambiental. "Não podemos depender só da boa vontade das cervejeiras", sublinha o autarca, "e se necessário teremos mesmo de forçá-las a seguir esse caminho".

O vereador socialista recorda que já houve medidas tomadas nesse sentido - "no Arco do Cego, dissemos às cervejeiras que só aceitaríamos que continuassem a vender se financiassem a limpeza permanente do local e elas contrataram esses serviços" - mas não resolviam o problema. Agora a ambição é maior: "Proibir os copos de determinada gramagem ou desincentivar fortemente o seu uso." Dos contactos feitos, Duarte Cordeiro diz que sente abertura das cervejeiras para colaborar numa solução alternativa, até porque há questões de imagem das próprias empresas, mas não são tão fortes que ultrapassem a vertente comercial e a vontade de aumentar as vendas. Razão pela qual, numa altura em que o governo tem em mãos o dossiê da fiscalidade verde, a câmara decidiu levar esta pasta para a mesa de negociações.

A ideia de acabar com os copos de plástico na noite lisboeta partiu, segundo O Corvo (site especializado em assuntos da capital), de uma recomendação de dois deputados municipais independentes, Patrícia Gonçalves e Paulo Muacho, tendo sido aprovada na Assembleia Municipal em novembro, praticamente sem contestação. A principal divergência prendeu-se com o envolvimento do Parlamento, no sentido de criar legislação geral para esse fim, que o CDS-PP considerou não ter cabimento num assunto que respeita diretamente à cidade de Lisboa - e especificamente às áreas de diversão noturna.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.