Fernando Nobre já renunciou ao cargo

(ACTUALIZADA) Fernando Nobre afirma que renuncia ao mandato de deputado pelo PSD com "alguma tristeza", mas justifica a decisão por sentir-se mais útil na acção humanitária, numa carta em que elogia o presidente social-democrata, Pedro Passos Coelho.

A informação foi avançada pela RTP citando a carta de renúncia de Fernando Nobre.

Nessa carta, datada de sexta-feira e dirigida à presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, o ex-candidato presidencial apresenta os motivos que o levaram a não exercer o seu mandato no Parlamento.

"É com alguma tristeza que me afasto das funções de recém-eleito deputado, mas estou certo e ciente de que serei, como já referi, mais útil aos portugueses, a Portugal e ao mundo na acção cívica e humanitária que constitui a minha marca identitária", refere na carta, em que Nobre faz rasgados elogios ao primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e à "maioria do Grupo Parlamentar do PSD".

"Travar esta batalha ao lado do senhor doutor Pedro Passos Coelho e da grande maioria do PSD constituiu um enorme desafio que muito me orgulha e uma imensa honra. O senhor doutor Pedro Passos Coelho e a maioria do Grupo Parlamentar do PSD tiveram sempre para comigo uma atitude de grande estímulo e apreço. Tentei retribuir dando toda a minha energia, disponibilidade e genuíno empenhamento", escreve.

Nobre encabeçou a lista do PSD em Lisboa e foi o primeiro nome proposto por Pedro Passos Coelho para presidir à Assembleia da República. No entanto os deputados chumbaram, por duas vezes, a eleição de Fernando Nobre.

Durante a campanha eleitoral, o presidente da AMI afirmou que renunciaria ao cargo de deputado se não fosse eleito presidente da Assembleia da República, o segundo cargo mais importante na hierarquia do Estado português.

A declaração de Nobre irritou a oposição, que na altura acusou o PSD de desrespeitar o Parlamento por prometer um cargo cuja eleição depende de voto secreto dos deputados.

Fernando Nobre apareceu na abertura dos trabalhos da nova legislatura, no Parlamento, sessão em que a sua eleição foi chumbada, mas faltou aos dois dias de discussão do programa de Governo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.