Feridos durante rixa em Beja já tiveram alta hospitalar

Rixa aconteceu à porta de um estabelecimento de diversão noturna

Cinco pessoas feridas, incluindo uma bombeira que prestava socorro, durante uma rixa ocorrida no domingo à porta de um estabelecimento de diversão noturna, em Beja, já tiveram alta hospitalar, disse hoje fonte do hospital da cidade.

A fonte da Unidade Local de Saúde do Baixo Alentejo (ULSBA) indicou à agência Lusa que "já tiveram alta todos os feridos" que foram assistidos no Hospital José Joaquim Fernandes, em Beja, à exceção de um homem que se ausentou da unidade de saúde.

Dois dos homens identificados são de Beja e os outros três do Algarve, incluindo um que não precisou de assistência hospitalar, estando por identificar o suspeito que se ausentou do hospital, adiantou à Lusa fonte da PSP.

A rixa aconteceu, na manhã de domingo, por volta das 08:30, à porta de um bar situado junto à piscina municipal coberta da cidade alentejana.

A fonte policial referiu que não foram feitas detenções e que estão identificados cinco homens, com idades entre os 20 e os 32 anos, que alegadamente participaram nas agressões.

A mesma fonte realçou que foi elaborado o auto de notícia, que será remetido para o Ministério Público.

Segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Beja, dois homens ficaram em estado grave e outros três e a bombeira da corporação de Beja sofreram ferimentos ligeiros.

Alguns dos feridos tinham golpes na cabeça e no corpo, originados por armas brancas, realçou a fonte da PSP.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.