Fenprof acusa Governo de falta de seriedade política

Sindicatos questionam ainda números do executivo de António Costa relativos à progressão dos professores

A Fenprof disse que os dados das progressões dos professores confirmados esta quinta-feira pelo Ministério da Educação mostram "falta de seriedade política", e insiste nas dúvidas em relação às contas da tutela.

"O número de professores que o governo calcula estarem em condições de progredir em 2018 é, afinal, 38.449 e não os 50.151 que constam no documento enviado pelo governo à comunicação social. [...]Perguntar-se-á a razão por que o Governo divulgou um documento tão pouco rigoroso. Não, não foi incompetência técnica, terá sido, mesmo, falta de seriedade política", acusou a Federação Nacional de Professores (Fenprof), em comunicado.

Já hoje, numa nota de esclarecimento enviada à Lusa, o Ministério da Educação (ME) tinha recusado qualquer contradição de números entre os que divulgou sobre as progressões na carreira dos professores em 2018, depois de a Fenprof ter, na quarta-feira, levantando dúvidas sobre os dados adiantados à comunicação social.

Segundo a Fenprof, os números não correspondem a dados de progressão que o ME já tinha apresentado em momentos anteriores, mas que a tutela diz serem diferentes por se referirem a "exercícios diferentes", nomeadamente no que diz respeito ao total de docentes em condições de aceder ao 5.º e 7.º escalões da carreira, atualmente matéria em negociação e dependente da publicação de uma portaria para se concretizar.

"Na apresentação divulgada no passado dia 19 constam todos os docentes que ao longo de 2018 somam o tempo necessário para progredir em cada escalão. No 5.º e 7.º escalões reúnem tempo para progressão 6.562 e 7.337 docentes, respetivamente", lê-se num esclarecimento do ME enviado à Lusa.

Estes números diferem dos 1.162 docentes em condições de aceder ao 5.º escalão e 1.035 em condições de atingir o 7.º escalão adiantados em reuniões anteriores, que a tutela diz terem como data de referência o dia 01 de janeiro de 2018.

Como a portaria que vai determinar a abertura de vagas para acesso a estes escalões da carreira se vai reportar a 01 de janeiro a Fenprof insiste que os dados números divulgados à comunicação social "alteram a realidade".

"Face a estes novos números para dois escalões (o que levanta legítimas dúvidas sobre a validade dos números apresentados para os restantes sete), seria indispensável o Governo refazer todos os cálculos que apresentou e que, afinal, são incorretos. Sabe-se agora que, afinal, a percentagem de professores que progredirão em 2018 não será de 50,5%, estando em linha com os 50% da Administração Pública, que será de 50%, ficará bastante abaixo, não atingindo os 39%", lê-se num comunicado da Fenprof hoje divulgado.

A federação sindical ressalva ainda que, uma vez que serão estabelecidas vagas de acesso ao 5.º e 7.º escalões, não serão sequer os cerca de mil professores por cada um destes escalões que vão progredir em 2018.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.