Fenprof faz ultimato a governo e divulga calendário de ações de protesto

Fenprof pede "respostas concretas e inequívocas sobre um conjunto de aspetos relacionados com carreiras, aposentação, horários de trabalho, combate à precariedade e gestão das escolas"

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) fez hoje um ultimato ao Ministério da Educação (ME) para que dê resposta a reivindicações e divulgou um calendário de ações de protesto, incluindo um pré-aviso de greve.

A Fenprof pretende entregar em 22 de maio o pré-aviso de greve, para 7 de junho e dias seguintes, momento coincidente com o período de avaliações, para os docentes das escolas públicas de ensino artístico especializado, para exigir a abertura de um processo de vinculação extraordinária.

Em comunicado, a estrutura sindical informou que "entregou hoje no Ministério da Educação um pedido de reunião ao ministro, a realizar com caráter de urgência, na qual pretende obter respostas concretas e inequívocas sobre um conjunto de aspetos relacionados com carreiras, aposentação, horários de trabalho, combate à precariedade e gestão das escolas".

"Entende a Fenprof que esta reunião com o ministro da Educação deverá ter lugar antes de 26 de maio e que, até 26 de maio, todas as questões colocadas no ofício hoje entregue deverão ser devidamente esclarecidas".

A federação sindical acrescenta no comunicado que já estão marcadas reuniões, para o final do mês, para analisar as respostas do ministro Tiago Brandão Rodrigues e as opções sindicais.

Para além do pré-aviso de greve, o calendário de ações de protesto anunciado pela Fenprof prevê também, para 17 de maio, uma concentração junto ao Ministério da Educação para entregar milhares de postais exigindo a aprovação de um regime excecional de aposentação.

Também em 17 de maio, a estrutura sindical pretende acompanhar o debate parlamentar de uma petição, que promoveu, sobre aspetos como carreiras, aposentação e horários de trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.