Fenprof faz ultimato a governo e divulga calendário de ações de protesto

Fenprof pede "respostas concretas e inequívocas sobre um conjunto de aspetos relacionados com carreiras, aposentação, horários de trabalho, combate à precariedade e gestão das escolas"

A Federação Nacional dos Professores (Fenprof) fez hoje um ultimato ao Ministério da Educação (ME) para que dê resposta a reivindicações e divulgou um calendário de ações de protesto, incluindo um pré-aviso de greve.

A Fenprof pretende entregar em 22 de maio o pré-aviso de greve, para 7 de junho e dias seguintes, momento coincidente com o período de avaliações, para os docentes das escolas públicas de ensino artístico especializado, para exigir a abertura de um processo de vinculação extraordinária.

Em comunicado, a estrutura sindical informou que "entregou hoje no Ministério da Educação um pedido de reunião ao ministro, a realizar com caráter de urgência, na qual pretende obter respostas concretas e inequívocas sobre um conjunto de aspetos relacionados com carreiras, aposentação, horários de trabalho, combate à precariedade e gestão das escolas".

"Entende a Fenprof que esta reunião com o ministro da Educação deverá ter lugar antes de 26 de maio e que, até 26 de maio, todas as questões colocadas no ofício hoje entregue deverão ser devidamente esclarecidas".

A federação sindical acrescenta no comunicado que já estão marcadas reuniões, para o final do mês, para analisar as respostas do ministro Tiago Brandão Rodrigues e as opções sindicais.

Para além do pré-aviso de greve, o calendário de ações de protesto anunciado pela Fenprof prevê também, para 17 de maio, uma concentração junto ao Ministério da Educação para entregar milhares de postais exigindo a aprovação de um regime excecional de aposentação.

Também em 17 de maio, a estrutura sindical pretende acompanhar o debate parlamentar de uma petição, que promoveu, sobre aspetos como carreiras, aposentação e horários de trabalho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.