Felipe e Letizia na Assembleia da República

Os príncipes deslocam-se à Assembleia da República para um encontro com a presidente do Parlamento, Assunção Esteves, a que se seguirá uma reunião com a comunidade espanhola residente em Portugal prevista para o final da tarde, na residência do embaixador de Espanha em Lisboa.

A visita à AR, que inclui ida à sala das sessões, demorará cerca de uma hora. Depois, os príncipes da Astúrias vão à Residência do Embaixador de Espanha em Lisboa.

Felipe e Letizia chegaram esta manhã a Lisboa para aquela que é a primeira visita oficial a Portugal.

Depois de terem colocado uma coroa de flores no túmulo de Camões, nos Jerónimos, os príncipes das Astúrias, Felipe de Borbón y Grécia, herdeiro da coroa de Espanha, e Letizia Ortiz Rocasolano, encontram-se com Cavaco Silva no Palácio de Belém e foram os convidados de honra de um almoço oferecido pelo chefe de Estado, que contou com a presença de 20 jovens empreendedores portugueses.

Na quinta-feira, Felipe e Letizia deslocam-se a Braga para uma visita ao Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL) e a meio da tarde, após o regresso a Lisboa, promovem um encontro na residência do embaixador de Espanha com personalidades dos setores empresarial, cultural e social.

Ao início da noite, Cavaco Silva oferece um banquete em honra dos Príncipes das Astúrias no Palácio de Queluz.

Na sexta-feira, último dia da visita oficial, o herdeiro da coroa de Espanha participa numa reunião da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, num hotel de Lisboa, na presença de empresários dos dois países.

O programa prevê também uma deslocação à residência oficial do primeiro-ministro para uma reunião com Pedro Passos Coelho, seguida de um almoço oferecido pelo chefe do governo português.

A etapa final da deslocação vai decorrer de novo no Mosteiro dos Jerónimos, onde, às 19.00, está prevista a cerimónia de entrega do Prémio "Europa Nostra".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.