Felipe e Letizia na Assembleia da República

Os príncipes deslocam-se à Assembleia da República para um encontro com a presidente do Parlamento, Assunção Esteves, a que se seguirá uma reunião com a comunidade espanhola residente em Portugal prevista para o final da tarde, na residência do embaixador de Espanha em Lisboa.

A visita à AR, que inclui ida à sala das sessões, demorará cerca de uma hora. Depois, os príncipes da Astúrias vão à Residência do Embaixador de Espanha em Lisboa.

Felipe e Letizia chegaram esta manhã a Lisboa para aquela que é a primeira visita oficial a Portugal.

Depois de terem colocado uma coroa de flores no túmulo de Camões, nos Jerónimos, os príncipes das Astúrias, Felipe de Borbón y Grécia, herdeiro da coroa de Espanha, e Letizia Ortiz Rocasolano, encontram-se com Cavaco Silva no Palácio de Belém e foram os convidados de honra de um almoço oferecido pelo chefe de Estado, que contou com a presença de 20 jovens empreendedores portugueses.

Na quinta-feira, Felipe e Letizia deslocam-se a Braga para uma visita ao Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL) e a meio da tarde, após o regresso a Lisboa, promovem um encontro na residência do embaixador de Espanha com personalidades dos setores empresarial, cultural e social.

Ao início da noite, Cavaco Silva oferece um banquete em honra dos Príncipes das Astúrias no Palácio de Queluz.

Na sexta-feira, último dia da visita oficial, o herdeiro da coroa de Espanha participa numa reunião da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, num hotel de Lisboa, na presença de empresários dos dois países.

O programa prevê também uma deslocação à residência oficial do primeiro-ministro para uma reunião com Pedro Passos Coelho, seguida de um almoço oferecido pelo chefe do governo português.

A etapa final da deslocação vai decorrer de novo no Mosteiro dos Jerónimos, onde, às 19.00, está prevista a cerimónia de entrega do Prémio "Europa Nostra".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.