Federação da Educação quer reunião com ministro sobre "injustiças" nas colocações

FNE afirma que as colocações estão a prejudicar os professores, tendo impacto direto nas suas vidas

A Federação Nacional da Educação (FNE) pediu hoje uma reunião com o ministro da Educação para lhe levar "a insatisfação de milhares de docentes e técnicos" que consideram injusto o processo de colocação de professores.

Em comunicado, a FNE aponta uma "sucessão de injustiças" nas colocações que estão prejudicar os professores, com impacto direto nas suas vidas, como os que foram ultrapassados nas suas preferências de escola por colegas com graduação profissional mais baixa.

"Esta é uma decisão de exclusiva responsabilidade do Ministério da Educação que não tem a concordância da FNE nem nunca foi tratada em qualquer reunião do processo de negociação da revisão do diploma de concursos", afirma a organização sindical, que acusa a tutela de "discriminatória injustiça".

No processo de vinculação extraordinária, os professores contestam um número de vagas inferior ao esperado e a mesma situação de professores com maior graduação profissional serem preteridos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...