Fazer rondas nos paióis de Tancos "era para descansar"

Modelo de vigilância não dependia do número de soldados ou de viaturas, segundo fontes militares com acesso à investigação.

O modelo de rondas aos paióis do Exército em Tancos tinha "vulnerabilidades muito grandes", as quais continuariam a existir mesmo com o dobro dos soldados ou mais viaturas, assumiram fontes militares ouvidas pelo DN.

"Era para descansar" que os militares entendiam o facto de serem escalados para fazer a segurança daquele local isolado, frisou uma das fontes com acesso à investigação ao furto de material de guerra - um "crime estritamente militar" - e que foram ouvidas sob anonimato, por não estarem autorizadas a falar do processo.

Acresce que "era tão fácil, tão fácil lá entrar que as possibilidades são imensas" quanto à autoria do furto, bem como quem no Exército poderá ter dado as informações e cuja existência já foi dada como adquirida pelo próprio comandante do ramo, lamentou a mesma fonte, corroborando o dito ao DN por outras fontes que também visitaram o local nos dias seguintes à descoberta do caso.

O espaço onde estão sediadas as duas dezenas de paióis e paiolins tem um perímetro aproximado de 2500 metros e uma área próxima dos 350 mil metros quadrados, para o qual era destacada "uma seção mais" (uma dezena de militares) em vez do efetivo para o qual foi construído: um pelotão (cerca de 30 soldados).

Os militares para ali enviados "não tinham a mínima noção" do que é fazer segurança a locais sensíveis - desde logo por falta de treino específico para essa missão - "e iam para os paióis descansar", lamentou a referida fonte. Testemunho disso, acrescentou este oficial entre outros exemplos, era o facto de não haver qualquer acompanhamento ou controlo dos trabalhadores civis que tinham estado a substituir parte das vedações dos paióis - que "não são suspeitos, mas se quisessem tinham levado" o que lhes apetecesse sem que alguém notasse.

Nesta matéria da segurança, outra fonte evocou o exemplo da Força Aérea: todas as bases do ramo estão a cargo dos militares de uma mesma especialidade, a Polícia Aérea, e não dos que estão destacados em cada uma dessas infraestruturas (e com outras especialidades).

Acresce que, em Tancos, "mesmo com jipes as rondas eram mínimas porque o serviço era feito da mesma forma e qualquer que fosse a unidade" encarregada de o fazer, entre as cinco que partilhavam essa responsabilidade: as unidades de Apoio da Brigada de Reação Rápida (BRR) e de Apoio Geral de Material do Exército (Benavente), os regimentos de Paraquedistas, de Infantaria n.º 15 (Tomar) e de Engenharia n.º 1.

Falta de jipe é uma falsa questão

Aliás, o facto de não haver uma viatura para fazer rondas motorizadas nos dias que antecederam a descoberta do furto - que as fontes do DN estimam ter ocorrido entre a noite de dia 26 e a tarde do dia 28, quando se viram os cortes na vedação - também foi qualificado como uma falsa questão.

Porquê? A resposta é dada com outra pergunta: "Os militares saíam dos jipes para irem ver se os portões dos paióis estavam fechados?" É que essa é a única forma de verificar o estado dos portões e dos cadeados, dada a configuração daquele espaço e dos acessos aos paióis. Uma outra interrogação ouvida pelo DN foi a de saber como é que não foi possível arranjar outra viatura num dos vários quartéis do Exército existentes no perímetro militar de Tancos. "Não havia um jipe entre tantas unidades?", sintetizou uma das fontes.

Voltando à questão do pessoal, outra dos oficiais argumentou que os efetivos empregues nas rondas podiam ser reduzidos, mas "se quisessem trabalhar faziam mais" quando se está a falar de adultos voluntários na casa dos 20 anos.

A este propósito, o Exército disse ao DN que na semana em que se descobriu o furto (25 de junho a 1 de julho) "não existiu qualquer participação de militares do Regimento de Engenharia n.º 1 nas ações do Plano Lira", relativo ao apoio na prevenção e combate aos fogos florestais. Contudo, na semana anterior tinham sido empenhados cinco sargentos e 15 praças - correspondendo a cinco destacamentos de engenharia - na zona de Pedrógão Grande (onde os fogos mataram 64 pessoas).

O comandante do regimento de Engenharia proibiu a saída dos militares e civis que ali estavam, após saber do furto de material de guerra, medida que abrangeu quem lá entrou a seguir. Esse coronel abriu depois um inquérito para "determinar as condições específicas e particulares em que ocorreram os factos" no dia em que o furto foi descoberto, precisou o Exército.

O ramo diferenciou a sua natureza disciplinar da dos processos de averiguações instaurados pelo chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, os quais tinham caráter técnico e visavam "aspetos mais abrangentes" ligados às condições de armazenamento do material, às cargas existentes ou ao sistema de controlo de acessos e vigilância eletrónica.

Foi neste contexto que Rovisco Duarte afastou - usando a inexistente figura jurídica da "exoneração temporária" - os comandantes das cinco unidades envolvidas na segurança dos paióis, visando "única e exclusivamente a criação de garantias de que as averiguações em curso decorreriam de forma absolutamente isenta e transparente", reafirmou o Exército.

Como os referidos comandantes já foram reempossados, fica por saber algo que só se avaliará mais tarde: poderá algum deles voltar a ser exonerado em função dos resultados do inquérito em curso no Regimento de Engenharia? Ou a responsabilização hierárquica ficará ao nível dos sargentos da guarda, como admitiu uma das fontes? Outra dúvida diz respeito às regras de empenhamento dos militares destacados para as rondas: estavam autorizados a disparar e em que condições?

Certo é que "o Exército mantém toda a colaboração com as autoridades, a quem fornecerá os inquéritos e as diligências já efetuadas ou quaisquer outros elementos que sejam solicitados", adiantou o ramo. Quem o pode fazer é o Ministério Público, a PJ e ainda a PJM, enquanto órgão de polícia criminal com "competência específica" para investigar "crimes estritamente militares" e ainda "competência reservada" no caso dos "crimes cometidos no interior de unidades, estabelecimentos e órgãos" das Forças Armadas.

Ler mais

Exclusivos