Fátima: Três dos oito parques nas imediações do santuário lotados

Três dos oito parques de estacionamento que circundam o Santuário de Fátima estavam lotados às 19:00 de hoje, informou, em comunicado a GNR, que tem em curso no templo e na cidade a operação "Trindade" devido à peregrinação internacional.

No comunicado, a GNR refere que o parque 2, para autocarros e viaturas ligeiras, estava com uma taxa de ocupação de 100 por cento, o mesmo sucedendo com os parques 5 e 6, estes para viaturas ligeiras e autocaravanas.

Já os parques 7 e 11, igualmente para autocarros, registavam àquela hora um taxa de ocupação de 75%, enquanto o parque 12, para veículos ligeiros, encontrava-se a 60%.

Segundo Pinto Reis, oficial de relações públicas do Comando Territorial de Santarém da GNR, "verifica-se a partir deste momento [19:30] uma maior intensidade de tráfego, mas o trânsito processa-se dentro da normalidade".

"Não há ocorrências a registar", assinalou, adiantando que esta operação para garantir a segurança na peregrinação internacional de 12 e 13 de outubro, no santuário e cidade, envolve 185 militares.

Em caso de condicionamento ou interrupção de trânsito, esta força policial sugere, como itinerários alternativos, a saída em Leiria norte e a de Torres Novas para os automobilistas que transitem na autoestrada 1 no sentido norte/sul e sul/norte, respetivamente.

Para os automobilistas que façam a viagem na autoestrada 23, no sentido este/oeste, a opção passa pela saída em Torres Novas.

Já os condutores que utilizem o itinerário complementar 9, no sentido oeste/este e este/oeste, têm como alternativa a saída nos nós de acesso em Porto de Mós e de Ourém oeste, respetivamente.

Aos peregrinos, a GNR repete os conselhos de outras peregrinações, como a chegada atempada às cerimónias religiosas, recomendando que saiam de forma calma e gradual após as celebrações para evitarem filas prolongadas.

Segundo a GNR, o trânsito vai estar condicionado, com diversas exceções, em várias ruas junto ao Santuário de Fátima por razões de segurança.

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Fátima, António Gaspar, adiantou que não há registo de situações graves envolvendo peregrinos.

"Temos tido algumas emergências pré-hospitalares decorrentes de quedas ou indisposições, mas todas situações ligeiras", disse António Gaspar.

Milhares de fiéis são esperados hoje e na segunda-feira no Santuário de Fátima na peregrinação internacional de 12 e 13 de outubro, que, pela primeira vez, coincide com o Dia Nacional do Peregrino.

Presidida pelo arcebispo de Goa e Damão, na Índia, Filipe Néri Ferrão, para a peregrinação, que habitualmente maior número de pessoas leva à Cova da Iria depois da de maio, inscreveram-se até sábado 115 grupos de 23 países, sendo Itália o país estrangeiro mais representado, com 25 grupos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.