Farmacêuticos antecipam rutura nos hospitais e pedem adiamento das 35 horas

Ordem alerta que a passagem para as 35 horas pode colocar doentes em risco e os profissionais numa situação insustentável

A Ordem dos Farmacêuticos prevê uma rutura de prestação de cuidados nos hospitais "como não há memória" a partir de julho e diz que a situação é tão grave que "está posta em causa a segurança dos doentes".

Numa carta enviada ao ministro da Saúde, a bastonária da Ordem dos Farmacêuticos antecipa dificuldades com a passagem de muitos profissionais de saúde para 35 horas de trabalho semanais a partir de 1 de julho e sugere que a entrada em vigor da medida seja prorrogada.

Os farmacêuticos preveem que, mesmo que se contrate, já hoje, os profissionais, não se vai a tempo de "acudir às falhas" que vão registar-se no início do próximo mês. Por isso, pede uma prorrogação do prazo para a medida entrar em vigor, de modo a permitir um "planeamento atempado".

"Temos recebido, nos últimos dias, vários apelos à intervenção da Ordem (...), pois estará em causa a segurança dos doentes no que ao medicamento diz respeito. (...) No que concerne a recursos humanos, a situação vivida na maioria dos serviços farmacêuticos é tão grave que está posta em causa a segurança dos doentes", refere a carta, a que a agência Lusa teve acesso.

A Ordem alude ao risco de ocorrência de "erros graves", por cansaço, excesso de pressão, acumulação de funções e tarefas.

Temos fundados receios de que possa acontecer alguma situação que coloque os doentes em risco, repito, e profissionais numa situação insustentável

A representante dos farmacêuticos ressalva que "não pretende gerar insegurança nos portugueses" nem criar factos políticos.

"O que queremos é que o Governo tenha consciência de que é preciso contratar recursos para garantir que a medida com que se comprometeu (alargamento [a outros trabalhadores] das 35 horas de trabalho semanal) não coloca em causa a segurança dos doentes", indica a carta enviada ao ministro Adalberto Campos Fernandes.

Segundo a Ordem, a maioria dos serviços farmacêuticos dos hospitais públicos "está a reportar impactos na dispensa de medicamentos aos doentes em regime de ambulatório", na validação e preparação de alguns fármacos e também no processo de distribuição de medicamentos.

"O alargamento em breve ao regime das 35 horas de trabalho semanal vai agravar o problema de base, há muito identificado, podendo comprometer a qualidade assistencial e com isso potenciar riscos de segurança dos doentes", lê-se no documento remetido ao ministro e datado de quarta-feira, 20 de junho.

A bastonária dá exemplos de serviços em situação mais complexa. No norte do país, a assistência farmacêutica noturna "só existe no Centro Hospitalar de São João e Centro Hospitalar do Porto".

Há situações em que a falta de pessoal farmacêutico chega aos 40% e a Ordem teme que, com a introdução das 35 horas, haja "colapso dos serviços".

A bastonária Ana Paula Martins apela ao sentido de urgência do Ministério da Saúde, a quem reconhece trabalho feito na tentativa de encontrar soluções para o setor, indicando mesmo que há muita coisa na saúde que tem melhorado.

O ministro da Saúde tem sido alertado para a necessidade de contratar profissionais para cobrir as necessidades que resultam da passagem de enfermeiros, assistentes e técnicos superiores das 40 para as 35 horas de trabalho semanais, a partir de 1 de julho.

Na quarta-feira, no parlamento, o ministro disse que pelo menos dois mil profissionais de saúde serão contratados a partir do próximo mês na primeira vaga de recrutamento, devendo haver outra fase em setembro ou outubro.

Sobre os receios de falta de planeamento atempado destas contratações, Adalberto Campos Fernandes indicou que também há dois anos foram traçados cenários semelhantes, tendo o sistema conseguido ajustar-se.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.