FAP evolui nos salvamentos à noite

Helicópteros 'EH-101 Merlin' já atingiram as 10 000 horas de voo em cinco anos.

As tripulações dos helicópteros EH-101 Merlin da Força Aérea estão a treinar o uso de óculos de visão nocturna nas suas missões, o que permitirá ao ramo dar novo salto qualitativo nas operações de busca e salvamento no alto mar.

"Essa valência trará por certo, a curto prazo, uma evolução profunda nos resultados reais em missões de busca e salvamento nocturnas (...) e poderá revolucionar a maneira como futuras operações se irão desenrolar", afirmou o comandante da base aérea do Montijo, coronel João Alves.

O militar intervinha na cerimónia comemorativa das 10 000 horas de voo já cumpridas pelos helicópteros Merlin - assinaladas também pelo agradecimento, de viva voz, feito por quatro pescadores do continente que foram salvos, em 2006, por um EH-101 a 200 quilómetros de Porto Santo.

O chefe do Estado-Maior da Força Aérea, considerado "o pai" dos EH-101 (liderou o grupo de trabalho que acompanhou a evolução do programa na primeira metade dos anos 2000), disse aos jornalistas que espera ter "sete a oito" helicópteros operacionais até ao final do ano, permitindo recolocar dois aparelhos nos Açores.

Segundo o general Luís Araújo, só nessa altura será feita uma avaliação final sobre a capacidade de garantir a manutenção dos Merlin naquele arquipélago, podendo assim abater em definitivo os velhos helicópteros Puma que ainda ali operam. Recorde-se que estes helis foram reactivados em Março de 2009, face à incapacidade do fabricante em fornecer peças e sobressalentes em número suficiente para manter a operacionalidade daquela frota.