Famílias vão poupar mais de 11 milhões com isenções de taxas moderadoras

Alargada até aos 18 anos, isenção atinge mais 438 500 jovens. Famílias poupam 2,3 milhões, segundo dados oficiais para os centros de saúde, e nove milhões nos hospitais, na estimativa do DN.

A partir de hoje todos os jovens dos 12 até aos 18 anos passam a estar isentos de taxas moderadoras. São mais 438 500. Para as famílias, a poupança será de 2,3 milhões de euros só nos centros de saúde, de acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). O DN fez as contas para a área hospitalar, a um episódio numa urgência polivalente por ano, e estimou uma poupança de 9 milhões de euros. Tudo somado, as famílias podem vir a poupar 11 milhões de euros por ano. A alteração, justificou o governo, vai garantir melhor acesso aos cuidados de saúde. Há 6 milhões de isentos em Portugal.

Susy Barros Soares têm três filhos: Susana com 15, Simão com 12 e Ema com cinco anos. Para quem faz esticar todos os meses o orçamento familiar até ao limite, as idas ao médicos são quando mesmo imprescindíveis. "A minha filha mais velha foi chamada pelo centro de saúde para fazer um exame global de saúde a 23 de março. Desmarquei porque achei que ela estava bem e assim não teria de pagar a consulta. Se ela já estivesse isenta teria ido e seria uma consulta de prevenção. Agora irei logo que possível marcar uma consulta. Só vou mesmo ao médico se for necessário, porque as taxas moderadoras têm impacto."

Leia mais pormenores no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".