Famílias vão poupar mais de 11 milhões com isenções de taxas moderadoras

Alargada até aos 18 anos, isenção atinge mais 438 500 jovens. Famílias poupam 2,3 milhões, segundo dados oficiais para os centros de saúde, e nove milhões nos hospitais, na estimativa do DN.

A partir de hoje todos os jovens dos 12 até aos 18 anos passam a estar isentos de taxas moderadoras. São mais 438 500. Para as famílias, a poupança será de 2,3 milhões de euros só nos centros de saúde, de acordo com os dados da Administração Central do Sistema de Saúde (ACSS). O DN fez as contas para a área hospitalar, a um episódio numa urgência polivalente por ano, e estimou uma poupança de 9 milhões de euros. Tudo somado, as famílias podem vir a poupar 11 milhões de euros por ano. A alteração, justificou o governo, vai garantir melhor acesso aos cuidados de saúde. Há 6 milhões de isentos em Portugal.

Susy Barros Soares têm três filhos: Susana com 15, Simão com 12 e Ema com cinco anos. Para quem faz esticar todos os meses o orçamento familiar até ao limite, as idas ao médicos são quando mesmo imprescindíveis. "A minha filha mais velha foi chamada pelo centro de saúde para fazer um exame global de saúde a 23 de março. Desmarquei porque achei que ela estava bem e assim não teria de pagar a consulta. Se ela já estivesse isenta teria ido e seria uma consulta de prevenção. Agora irei logo que possível marcar uma consulta. Só vou mesmo ao médico se for necessário, porque as taxas moderadoras têm impacto."

Leia mais pormenores no e-paper do DN ou na edição impressa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.