Falta de trabalhadores reduz as dádivas de sangue

Os sindicatos da Função Pública afirmam que a redução que se tem verificado nas dádivas de sangue se deve à falta de trabalhadores e apelam ao Governo que autorize a integração de pessoal no quadro do Instituto do Sangue.

Segundo a Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais, apesar de o Instituto Português do Sangue (IPS) atribuir a quebra nas dádivas à gripe e à emigração, "existem outras causas para aquele abaixamento e que se prendem com o cancelamento e adiamento de operações de recolha de sangue cuja responsabilidade só pode ser imputada ao instituto".

"Este facto tem por base a falta de pessoal, designadamente, técnicos de recolha de sangue, motoristas e outro pessoal que auxilia nas operações do IPS", afirma o sindicato em comunicado.

Até há pouco tempo, além dos trabalhadores no quadro, "cada vez em menor número", o instituto tinha ainda alguns trabalhadores precários, entretanto despedidos em 31 de dezembro, revela.

De acordo com a federação, o IPS perdeu 50 trabalhadores que garantiam as operações de recolha de sangue, o que obriga o instituto a ter contratos de aluguer com autocarros, porque não tem motoristas para conduzir as suas viaturas, e deixa sobrecarregados os funcionários efetivos, forçados a fazerem "constantes horas extraordinárias".

Para os sindicalistas, o caso do IPS "comprova" que a política de cortes orçamentais do Governo "visa essencialmente degradar os serviços públicos e o seu funcionamento".

"Deste modo, consideramos indispensável que o Governo autorize o imediato recrutamento para o quadro, de trabalhadores das categorias profissionais em causa, por forma a que seja ultrapassada esta indecorosa situação e reposta a normalidade na recolha de sangue no nosso país", defendem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.