Falso piloto suspeito de burlar 6 mulheres em tribunal

Um homem que se fez passar por piloto de aviões, para, alegadamente, enganar mulheres com posses e recém-divorciadas, acusado de seis crimes de burla qualificada, começou hoje a ser julgado à porta fechada, no Tribunal de Benavente.

O tribunal justificou a decisão tendo em conta factos da vida íntima, amorosa e sexual das ofendidas.

"Além dos arguidos estarem acusados de crimes contra o património, os atos ilícitos típicos descritos na acusação são correlativos à vida amorosa e sexual das vítimas, ou mesmo ao relacionamento conjugal alegadamente mantido com o arguido", esclarece um despacho do coletivo de juízes.

Por isso, acrescenta o documento, "não é possível dissociar factos do foro íntimo, cuja divulgação seria gravemente atentatória da dignidade pessoal das visadas, e até inibidora do próprio depoimento".

Segundo os despachos de acusação e de pronúncia, a que a agência Lusa teve acesso, o arguido, de 57 anos, após "selecionar" as vítimas, algumas que conheceu através de salas de conversação na Internet, apresentava-se como "piloto de companhias aéreas comerciais e ex-piloto militar", conseguindo "criar nas ofendidas a ilusão de uma relação amorosa, levando-as a entregar avultadas quantias em dinheiro e objetos valiosos".

Desde 2008, pelo menos, o homem terá burlado seis mulheres, com recurso "a identidade, estilos de vida e documentos falsos", tendo contado com a cumplicidade da ex-companheira, acusada de coautoria nos seis crimes de burla, pela intervenção no esquema fraudulento e em toda a encenação criada.

Segundo a acusação, o arguido apresentava-se às mulheres "trajado a rigor, com fardamento típico de pilotos das linhas comerciais, respetiva mala de bordo, insígnias e outros acessórios relacionados com a aviação", dizendo que era de "boas famílias, com brasão".

Apresentava ainda documentos falsos, como a licença de tripulante de aeronaves e um diploma do curso de engenharia mecânica que, alegadamente, tirou no Brasil.

Assim, sustenta o MP, o arguido, através de um "embuste" e de uma forma "astuta, minuciosa e ardilosa, encarnando personagens com identidades e costumes de vida falsos", levou as mulheres a acreditarem que era piloto com posses, e que pretendia encetar uma relação amorosa com elas.

"Quando o arguido já tinha obtido o enriquecimento pretendido e não era possível manter a fraude por si criada, punha fim à relação amorosa de forma repentina e inesperada, e passava à vítima seguinte. Recorreu à pressão psicológica e, nalguns casos, a agressões físicas, para que as vítimas terminassem o relacionamento", explica a acusação.

Em consequência dos "comportamentos criminosos", o homem conseguiu depositar milhares de euros, retirados às vítimas, na conta da arguida e presumível cúmplice. O homem terá lesado as ofendidas em, pelo menos, 60 mil euros em dinheiro, além de lhes ter retirado bens materiais, como ouro, móveis e talheres de prata, entre outros objetos. Num dos casos terá roubado 12 anéis em ouro no valor de 24 mil euros, explica o despacho de acusação.

O homem encontra-se em prisão preventiva ao abrigo deste processo no Estabelecimento Prisional de Lisboa, enquanto a ex-companheira está em liberdade, mas com pulseira eletrónica.

Os dois arguidos começaram hoje a ser julgados por um tribunal de júri, estando arroladas 43 testemunhas.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.