Feridos graves transferidos para Lisboa e Porto

Os feridos mais graves do incêndio ocorrido no sábado à noite em Vila Nova da Rainha, Tondela, vão ser transferidos para unidades do Porto e de Lisboa

Em declarações aos jornalistas cerca das 00:30, O secretário de Estado Adjunto e da Saúde. Fernando Araújo, explicou que o incêndio na associação de Vila Nova da Rainha provocou 35 feridos, que foram levados para os hospitais de Tondela, de Viseu e de Coimbra, "onde estão a ser estabilizados".

"Alguns dos quais, os mais graves, queimados, serão transportados para unidades quer do Porto, quer de Lisboa", referiu, acrescentando que um adolescente, de 15 anos, poderá também ser transferido para Lisboa.

No entender do secretário de Estado, "foram ativados todos os meios considerados necessários".

"As quatro VMER (Viaturas Médicas de Emergência e Reanimação) com equipas de suporte avançado de vida, três helicópteros, um dos quais do Ministério da Defesa, e um conjunto elevado de meios quer do INEM, quer dos bombeiros, quer da Proteção Civil que têm atuado em conjunto, de forma articulada, para dar uma resposta efetiva a esta situação que é muito grave", enumerou.

Fernando Araújo disse que se encontra ainda no local "uma unidade de psicólogos que está a dar apoio aos familiares e irá articular-se quer com a Proteção Civil, quer com a autarquia, neste momento e nos próximos dias", de forma a haver "uma resposta adequada para os familiares".

Lembrando que a região de Tondela foi muito afetada, no ano passado, pelos incêndios florestais, o responsável lamentou esta "nova catástrofe".

Temos que ter a capacidade de darmos o apoio necessário para conseguir ultrapassar também esta fase de luto

Ao local deslocou-se também o secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Tavares Neves, que realçou a "mobilização imediata" dos meios, apesar de "alguma dificuldade do local", numa rua estreita da aldeia.

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, disse ser "fundamental criar recursos e estratégias para dar apoio às vítimas, aos seus familiares e a quem vive nesta comunidade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.