Ex-gestor da PT libertado em Díli garante ser "inocente"

Falou com os dois filhos pelo "skype" e disse ao pai que estava "feliz". Tiago Guerra é suspeito do crime de branqueamento de capitais.

Às 7.00 da manhã de Lisboa (15.00 em Díli, Timor Leste), o preso preventivo português Tiago Guerra, ex-gestor da PT e da Timor Telecom, suspeito de branqueamento de capitais, usava o direito ao telefonema semanal de cinco minutos a que tem direito na prisão timorense de Bécora, em Díli, para falar com o pai. "Meia hora depois de falarmos ao telefone, o meu filho era solto", descreveu ao DN o pai de Tiago, o almirante reformado Carlos Guerra. "Disse-me que estava feliz e falou com os dois filhos pelo skype".

Tiago Guerra, 43 anos, fica ainda sujeito ao Termo de Identidade e Residência (TIR) e a apresentações semanais às autoridades. Mas acolheu com esperança a libertação decretada pelo Tribunal de Recurso de Díli. "Um grande respirar de alívio. Um primeiro passo. Mas parece que desta vez a justiça timorense começa a funcionar. Espero que a partir de agora consigamos esclarecer as coisas todas", afirmou Tiago Guerra à agência Lusa, reiterando estar "inocente". Ainda não foi acusado formalmente.

O empresário português foi libertado a dois dias de cumprir oito meses em prisão preventiva na cadeia de Bécora e de uma intensa campanha que incluiu uma petição pela sua libertação nas redes sociais levada a cabo por família e amigos. Campanha que levou a ações diplomáticas e políticas.

"O meu filho solicitou por escrito as gravações do primeiro interrogatório judicial. Nunca lhe foram facultadas. A Amnistia Internacional também pediu acesso ao processo e nunca o teve", referiu Carlos Guerra.

Leia mais no e-paper ou na edição impressa do DN

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.