Exames e análises sem taxas para quem vem do centro de saúde

Se doente for encaminhado para o hospital pelos centros de saúde ou Linha de Saúde 24, fica isento de taxas nas consultas, exames e análises.

O Ministério da Saúde anunciou que todos os doentes que cheguem aos hospitais encaminhados pelos centros de saúde e Linha Saúde 24 não pagam taxas moderadoras nas análises e exames que tenham de realizar. Adalberto Campos Fernandes já tinha revelado que estes utentes não pagariam taxa moderadora da urgência. Agora fica a saber-se que a isenção será alargada aos meios de diagnóstico.

"As taxas moderadoras não são copagamentos e não podem ser barreiras económicas. Devem ser educativas. A pessoa deve perceber que a taxa recomenda um comportamento, saber que vale a pena ir primeiro ao médico de família porque não se paga taxas moderadoras da urgência, seja nos exames ou nas análises, afirmou na comissão de saúde.

A isenção das taxas moderadoras é para entrar em vigor assim que o Orçamento de Estado seja aprovado.

É com política esta de isenção de taxas moderadoras e de aposta nos cuidados de saúde primários que Adalberto Campos Fernandes espera reduzir a pressão sobre os hospitais. O ministro revelou de manhã que pretende reduzir em 10 % o número de urgências anuais, que rondam os seis milhões. " Serão menos 600 mil urgências, um valor estimado de 48 milhões de euros. Dinheiro que poderá ser mais bem usado na abertura de mais unidades de saúde familiar com mais médicos e enfermeiros de família".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.