Ex-ministra compreensiva com casos de arrastamento nos processos

Paula Teixeira da Cruz falava hoje à margem dos trabalhos da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide

Atualmente deputada do PSD, Paula Teixeira da Cruz, manifestou hoje compreensão com inquéritos criminais que se arrastam no tempo.

Comentando afirmações, ontem à noite, na RTP 3, da ministra Francisca Van Dunem - que a propósito da "Operação Marquês" (em que José Sócrates é o principal arguido) disse que "ninguém na justiça fica confortável com processos que se arrastam" - Teixeira da Cruz salientou, primeiro, que foi no seu tempo como membro do Governo que os magistrados "passaram a ter prazos" de decisão.

No entanto, acrescentou - salientando não estar a comentar em concreto a Operação Marquês - na "criminalidade mais complexa" muitas vezes é preciso inquirir entidades estrangeiras e isso "nem sempre faculta celeridade".

Teixeira da Cruz afirmou ainda que, na área da justiça, "o Governo não tem permitido controlo democrático" da sua atuação pelo Parlamento, e, no contexto de perguntas sobre o conflito presente entre juízes e Executivo, afirmou que se está a viver, nas áreas da soberania, "um período de não-Estado", ou seja, um período de ausência do Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.