Ex-ministra compreensiva com casos de arrastamento nos processos

Paula Teixeira da Cruz falava hoje à margem dos trabalhos da Universidade de Verão do PSD, em Castelo de Vide

Atualmente deputada do PSD, Paula Teixeira da Cruz, manifestou hoje compreensão com inquéritos criminais que se arrastam no tempo.

Comentando afirmações, ontem à noite, na RTP 3, da ministra Francisca Van Dunem - que a propósito da "Operação Marquês" (em que José Sócrates é o principal arguido) disse que "ninguém na justiça fica confortável com processos que se arrastam" - Teixeira da Cruz salientou, primeiro, que foi no seu tempo como membro do Governo que os magistrados "passaram a ter prazos" de decisão.

No entanto, acrescentou - salientando não estar a comentar em concreto a Operação Marquês - na "criminalidade mais complexa" muitas vezes é preciso inquirir entidades estrangeiras e isso "nem sempre faculta celeridade".

Teixeira da Cruz afirmou ainda que, na área da justiça, "o Governo não tem permitido controlo democrático" da sua atuação pelo Parlamento, e, no contexto de perguntas sobre o conflito presente entre juízes e Executivo, afirmou que se está a viver, nas áreas da soberania, "um período de não-Estado", ou seja, um período de ausência do Estado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.