Ex-militar que reclama resposta do Estado há 46 anos fez quarto protesto junto ao parlamento

Artur Ribeiro Gomes tinha anunciado, em carta dirigida aos deputados e divulgada à comunicação social na semana passada, que iria iniciar um "protesto de regime"

Um ex-militar português que reclama há 46 anos a regularização da sua situação perante o Estado, iniciou esta terça-feira junto ao parlamento a sua quarta greve de fome, um protesto que terminou com um ferimento autoinfligido.

O ex-capitão da Força Aérea Artur Ribeiro Gomes tinha anunciado, em carta dirigida aos deputados e divulgada à comunicação social na semana passada, que iria iniciar um "protesto de regime", esta terça-feira, a partir das 15:00, em frente à Assembleia da República.

Na carta aberta, o ex-militar referiu as três greves de fome já realizadas, a primeira das quais em 2004, durante a qual terá recebido a "garantia da resolução imediata" do seu caso, "malograda" pela dissolução da Assembleia da República em 2005.

O diferendo do capitão com o Estado português começa em maio de 1972, quando se ausentou do país com destino à Venezuela, com uma autorização para gozo de férias concedida em março desse ano. Como ficou mais tempo do que o autorizado, foi constituído desertor, a 19 de junho, segundo dados remetidos pelo Governo a uma pergunta do grupo parlamentar do PCP, em 2008.

A versão do ex-militar, segundo noticiou o DN, em 2009, é que partiu para a Venezuela como exilado político.

Após o 25 de abril de 1974, não terá conseguido instruir o seu processo a tempo de beneficiar de uma "amnistia para crimes políticos e infrações disciplinares", consagrada num decreto-lei da Junta de Salvação Nacional.

Hoje, cerca das 16:00, no final da reunião da comissão parlamentar de Defesa Nacional, a que presidiu, o deputado do BE João Vasconcelos deslocou-se ao local do protesto para "prestar solidariedade" para com o ex-militar, segundo afirmou à Agência Lusa.

O deputado criticou o "jogo do empurra" que disse haver entre o ministério das Finanças e o ministério da Defesa, considerando "inaceitável" que o caso deste militar ainda não tenha sido resolvido "por uma questão de justiça" e mesmo que implique algum peso "financeiro" que desvalorizou.

Em 2016, o BE entregou no parlamento um projeto de lei que visava atender ao caso do ex-militar, ao prever "a reabertura da possibilidade de requerer a reintegração nas suas funções dos servidores de Estado".

O projeto foi entregue em abril de 2016 e ainda não foi discutido em plenário. No parecer que fez sobre a admissibilidade do diploma, o deputado do PS Miguel Coelho manifestou a opinião de que o diploma "deve ser aprovado".

Questionado pela Lusa sobre o caso deste ex-militar, quando foi anunciado o protesto, na semana passada, fonte oficial do Ministério da Defesa disse apenas que o caso está em apreciação.

Hoje, ao cimo da escadaria da Assembleia da República, e questionado pela Lusa, Artur Ribeiro Gomes referiu os motivos daquela que seria a sua quarta greve de fome e lembrou que vários "deputados e ministros" lhe terão "garantido" uma resposta a uma questão que disse ser de "dignidade".

"A esperança às vezes é má conselheira, não vejo nada a acontecer", lamentou.

Artur Ribeiro Gomes disse que a dissolução da Assembleia da República, em 2005, terá travado o processo de resolução, afirmando que o à altura ministro da Defesa, Paulo Portas, se tinha empenhado no seu caso.

O ex-militar recordava o caso quando se interrompeu e, com a mão direita, se feriu no pulso esquerdo com uma lâmina de barbear, perante o deputado do BE João Vasconcelos, uma assessora do grupo parlamentar e a Lusa, que presenciou o gesto.

Artur Ribeiro Gomes, 73 anos, que se manteve de pé no momento em que se auto infligiu o ferimento, recebeu assistência no local pela enfermeira que presta serviço no parlamento, tendo sido depois transportado por uma ambulância do INEM, para o Hospital de São José.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.