Ex-autarca de Caminha recusa favorecimento em contratação de pessoal

O processo remonta a 2010 e está relacionado com a realização de concursos para admitir técnicos superiores

A ex-presidente da Câmara de Caminha negou hoje em tribunal "qualquer intervenção" na abertura dos concursos e admissão de duas técnicas superiores para departamentos da autarquia, garantindo que homologou a sua contratação de acordo com a lei em vigor.

"É falso, nunca o fiz, nunca o faria, nem nunca farei se vier a desempenhar qualquer outro cargo", afirmou a social-democrata Júlia Paula Costa perante o coletivo de juízes, no início do julgamento a que chega, acusada de quatro crimes, dois de prevaricação e outros dois de abuso de poder.

O processo remonta a 2010 e prende-se com a realização de vários concursos para a admissão de técnicos superiores para diferentes departamentos camarários.

A ex-autarca negou sempre "ter tido intervenção quer na abertura de concursos para preenchimento de vagas, responsabilidade que atribuiu aos serviços camarários que faziam o levantamento das necessidades, quer na composição do júri dos concursos, cuja constituição atribuiu à secção de pessoal, tendo refutado ter tido influência na escolha dos candidatos" que vieram a preencher as vagas abertas.

"Nunca participei, absolutamente na decisão, nunca participei na escolha do júri", sustentou, adiantando que se limitava a questionar "se havia dotação orçamental para as contratações e o quadro de pessoal impunha a abertura de novos concursos".

"Vinha tudo feito da secção de pessoal e eu, como presidente da Câmara Municipal, responsável pelos recursos humanos, tinha de assinar", disse.

"Limitava-me a fazer aquilo que os serviços técnicos consideravam correto e legal, pelo que fazia a homologação", sustentou.

Para Júlia Paula Costa, este caso "não passa de uma cabala e de um ataque político, de uma vingança pessoal de uma assessora que afastou do cargo e que hoje é assessora do atual presidente da Câmara de Caminha".

O caso envolve ainda dois funcionários daquela autarquia, acusados pelo Ministério Público (MP) dos crimes de prevaricação e abuso de poder, em coautoria.

No início da primeira sessão do julgamento, o procurador do MP, fez questão de justificar que em fase de inquérito mandou arquivar o processo que entretanto seguiu para julgamento por decisão de um juiz de instrução.

O julgamento prossegue hoje à tarde com o depoimento dos outros dois arguidos e de uma assistente no processo, uma candidata que alega ter sido preterida num dos concursos realizados há seis anos.

O tribunal marcou nova sessão para dia 07 de junho, durante todo o dia.

Segundo a acusação do MP, consultada pela Lusa, Júlia Paula Costa, atualmente eleita na Assembleia Municipal, "violou o interesse público do Estado em assegurar que esse tipo de concursos garantisse a autonomia intencional do Estado, a realização das funções do Estado segundo o direito e, no sentido do interesse do bem comum".

"Esses concursos foram abertos com o objetivo, na sequência dos mesmos, integrar no quadro de pessoal da Câmara Municipal pessoas determinadas e previamente escolhidas, em detrimento dos eventuais e demais concorrentes desses concursos", lê-se na acusação formalizada, em abril, pelo MP.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.