Évora acolhe patrulhas acrobáticas de Espanha e Marrocos

Força Aérea encerra comemorações de aniversário com um festival aéreo no próximo domingo em que participam também caças belgas e espanhóis.

Duas patrulhas acrobáticas militares e uma civil vão encerrar as comemorações do 66º aniversário da Força Aérea no próximo domingo, em Évora.

As comemorações arrancam quinta-feira, com a abertura das exposições onde sobressaem as várias aeronaves de formação, treino, transporte e combate aéreo operadas pelo ramo mais novo das Forças Armadas, disse fonte oficial ao DN.

A patrulha acrobática de helicópteros ASPA, da Força Aérea espanhola, a patrulha acrobática "La Marche Verte", da Força Aérea marroquina, e os YAKSTARS, patrulha acrobática civil portuguesa, vão exibir-se a partir das 15:30.

Presentes vão estar também um caça F-16 da Força Aérea belga e um Eurofighter da Força Aérea espanhola, com os milhares de espetadores a poderem assistir ainda à exibição dos Falcões Negros - a equipa de paraquedismo do Exército.

A par dessa parte mais lúdica, a Força Aérea vai realizar várias conferências dirigidas a diferentes públicos, nomeadamente jovens, desempregados e empresas da indústria aeronáutica.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.