Eutanásia. Número de pedidos aumenta todos os anos

Os doentes com cancro são que mais recorrem à eutanásia nos vários países em que esta prática foi legalizada.

A discussão que Portugal faz agora em torno da morte assistida, e que no próximo ano terá tradução na Assembleia da República, leva décadas em alguns países. É o caso da Holanda e da Bélgica, que legalizaram a eutanásia e o suicídio assistido em 2002, duas experiências que estarão em foco no colóquio internacional que, na próxima terça-feira, encerra em Lisboa o ciclo de debates "Decidir sobre o final da Vida", promovido pelo Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida (CNECV). Partindo desta perspetiva, o que se sabe sobre a implementação destas práticas nos países em que está legalizada?

Os dados mais completos conhecidos até hoje, no caso sobre o suicídio assistido, reportam-se ao estado norte-americano do Oregon, que legalizou aquele ato em 1997, depois de um referendo em que 51% dos votantes se manifestaram favoráveis à despenalização.

Contabilizados 18 anos de implementação da "Lei da Morte com Dignidade" (desde a entrada em vigor até ao ano de 2015), foram contabilizadas 1545 prescrições de medicamentos letais que vieram a resultar na morte de 991 pacientes (64%).

Quanto aos que não chegaram a concretizar o ato, os dados não permitem distinguir se desistiram ou se morreram antes de chegar ao fim do processo legal. Do número total de suícidios assistidos uma maioria não muito expressiva eram homens (51,4%), com uma média de idades de 71 anos (mas com uma amplitude que se estende dos 25 aos 102 anos). Aproximadamente 10% tinham menos de 55 anos. A esmagadora maioria - 94% - morreu em casa.

Um dos dados mais significativos dos números do suicídio assistido no Oregon prende-se com as razões que levaram os pacientes a escolher por termo à vida. O motivo mais apontado, por 91,6%, foi a perda de autonomia. Logo a seguir surge a perda de qualidade de vida (89,7%) dos pacientes, traduzida na incapacidade de apreciar os atos quotidianos. A perda de dignidade é outra razão comum apontada por quem requereu o suicídio assistido. A grande distância surge o sofrimento - "inadequado controlo da dor" - apontado por 25,2% dos pacientes.

A doença que mais levou os residentes no estado de Oregon a pedir suicídio assistido foi o cancro: 77,1% dos que tomaram um medicamento letal sofria desta doença. Entre estes, 17,9% sofria de cancro do pulmão. A esclerose lateral amiotrófica foi a segunda doença mais apontada, mas a grande distância (8%). Seguiram-se as doenças respiratórias e cardíacas.

Ainda no caso do Oregon, o detalhe dos dados chega a precisar que os pacientes que cometeram suicídio assistido demoraram, em média, quatro minutos a entrar em coma e 25 minutos a morrer. Seis pacientes acordaram do coma, o que representa uma taxa de eficácia de 94%.

Um estudo de 2016, de dois autores norte-americanos, um holandês e um belga (Joachim Cohen, que estará na conferência do CNECV) pegou nos dados do Oregon para os comparar com os do estado de Washington, da Bélgica e da Holanda.

A informação disponível para cada caso é substancialmente diferente (sendo que o próprio quadro legal tem variações), mas permite perceber, por exemplo, que em qualquer dos casos são os doentes com cancro a liderar os pedidos de eutanásia ou suicídio assistido. Na Holanda e Bélgica representam mais de 70% dos pedidos de morte assistida, enquanto as doenças neurodegenerativas rondam os 6% do número total.

Já os dados referentes ao estado de Washington relativos aos motivos que levam as pessoas a querer por termo à vida acompanham em toda a linha os de Oregon, com a perda de autonomia no topo. Nos países europeus não há dados desta natureza.

O estudo comparativo dos quatro académicos (Ezekiel Emanuel, Bregje Onwuteaka-Philipsen, John Urwin e Joachim Cohen) diz não ter encontrado evidências de que a prática da eutanásia seja mais frequente entre a população mais vulnerável. O "paciente-tipo" tem, aliás, escolaridade elevada. Quer no estado de Oregon, quer na Bélgica, a maior parte dos pacientes passou por cuidados paliativos.

Tendência de aumento

Uma tendência que os dados disponíveis têm vindo a apontar é um progressivo aumento dos pedidos de eutanásia ou suicídio assistido. Uma conclusão que é patente no caso do Oregon, que passou de 24 pedidos anuais em 1998, no ano da entrada em vigor da lei, para os 121 registados em 2014 ou os 218 de 2015. Um aumento que os investigadores atribuem a uma presumível maior aceitação social do suicídio assistido. Ainda assim, estes números representam menos de 0,5% da mortalidade no Oregon.

Na Bélgica, números divulgados pela Comissão Federal de Controle e Avaliação da Eutanásia apontaram 2025 casos de eutanásia em 2016. No ano anterior tinham sido 2021 e em 2014 foram 1924. Em 2002, data em que foi legalizada aquela prática, houve 24 pedidos. Cinco anos depois, em 2007, foram 500. Em 2011 foram registados 1133 casos.

Na Holanda, de acordo com números oficiais, em 2016 foram registadas 6091 mortes por eutanásia, número que representa 4% dos 148 973 óbitos registados no país. Em 2015 tinham sido 5516. Os dados do relatório anual sobre a prática da eutanásia apontam para uma significativa prevalência de pedidos de doentes com cancro, seguindo-se as doenças do sistema nervoso, ou patologias graves de pulmões e coração.

Em 32 casos a eutanásia foi praticada a pessoas com demência, a maioria em fase inicial da doença, e em 60 situações a morte assistida implicou pessoas com graves problemas psiquiátricos - um dos aspetos mais polémicos da lei holandesa.

A legislação deste país só permite a eutanásia em casos de sofrimento extremo e inultrapassável, mas não obriga a que o autor do pedido seja um doente terminal, o que tem motivado alguns casos polémicos.

O debate na Holanda passa agora pelo conceito de eutanásia por exaustão vital, ou seja, que aquela prática pode ser requerida por idosos a partir dos 75 anos que sintam que a sua vida está completa.

Segundo os dados relativos ao ano passado a eutanásia foi praticada maioritariamente em casa do paciente, com acompanhamento médico. Foram reportados dez casos em que as normas legais impostas pela lei holandesa não foram cumpridas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)