Quase 12.500 preservativos distribuídos em seis dias

O posto de saúde que esteve presente no Terreiro do Paço durante o festival distribuiu mais de 12 mil preservativos, quase 3000 lubrificantes e realizou 70 testes de alcoolemia e 82 de monóxido de carbono

A unidade móvel da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), que marcou presença no Eurovision Village, no Terreiro do Paço, em Lisboa, distribuiu perto de 12.500 preservativos ao longo de seis dias.

De acordo com informação transmitida pela ARSLVT à agência Lusa, foram distribuídos 12.459 preservativos durante seis dias, entre segunda-feira, 07 de maio, e sábado, dia 12, sendo que 11.971 foram masculinos e 488 femininos.

A par da contraceção, os festivaleiros receberam também 2.980 lubrificantes.

Ao longo dos seis dias, foram contactadas 3.075 pessoas e foram realizados 70 testes de alcoolemia e 82 de monóxido de carbono.

De acordo com a informação disponibilizada pela ARSLVT, o número de pessoas contactadas foi crescendo ao longo da semana, tendo atingido o pico no sábado, dia da final do festival, quando foram abordados 1.004 fãs.

A estes números, juntam-se 3.312 panfletos distribuídos.

O posto de saúde funcionou entre as 17:00 e a meia-noite, na segunda-feira, mas o horário alargou-se nos dias seguintes, com a unidade a estar disponível a partir das 10:00.

A par dos rastreios e da distribuição dos preservativos, gel lubrificante e panfletos, a unidade tinha também como missão o encaminhamento de situações mais graves e a prevenção de situações de risco.

A unidade de saúde contou, ao todo, com 25 profissionais, entre médicos, enfermeiros e psicólogos, distribuídos ao longo dos vários dias.

O Eurovision Village tornou o Terreiro do Paço na "aldeia" da 63.ª edição do Festival Eurovisão da Canção.

O espaço esteve aberto ao longo da semana, até sábado. Contou com concertos dos concorrentes e de outros artistas, e a transmissão das semifinais e da final do festival, nos ecrãs gigantes.

A 63.ª edição do Festival Eurovisão da Canção foi realizada pela European Broadcasting Union (EBU, sigla em inglês) em parceria com a RTP.

Israel venceu, pela quarta vez, o Festival, com o tema "Toy", interpretado por Netta, enquanto a canção portuguesa, "O Jardim", defendida por Cláudia Pascoal e escrita por Isaura, ficou em último lugar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.