Eurogrupo só discutirá situação orçamental portuguesa em maio ou junho

Portugal deverá estar na agenda das reuniões de 17 de maio ou de 16 de junho

A situação orçamental de Portugal só será discutida nas reuniões de ministros das Finanças da zona euro em "maio/junho", na sequência da publicação de indicadores e programas nacionais, segundo um alto responsável do Eurogrupo.

Aos jornalistas, a mesma fonte notou que na quinta-feira, o gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (Eurostat) publicará os dados orçamentais finais e validados para 2015 e que até ao final de abril devem ainda chegar a Bruxelas os programas de estabilidade e os programas nacionais de reformas.

Assim, as questões acerca de Portugal "serão tratadas mais tarde" e não na reunião informal de ministros, que decorrerá entre sexta-feira e sábado, em Amesterdão, acrescentou a mesma fonte.

Portugal deverá assim estar na agenda das reuniões de 17 de maio ou de 16 de junho.

Questionado sobre se a banca nacional será analisada neste encontro de abril, o mesmo responsável referiu que a situação está, numa fase, que deve ser tratada pela supervisão e autoridades portuguesas.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?