Moscovici: Centeno assume presidência num momento delicado

"Parabéns, amigo", disse Moscovici, em português, a Centeno

O comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros, Pierre Moscovici, salientou hoje que o ministro das Finanças português, Mário Centeno, assume a presidência do Eurogrupo num momento tão delicado como o que aguardou Dijsselbloem, há cinco anos.

Centeno "substitui Jeroen [Dijsselbloem] num momento em que enfrentamos desafios importantes", disse Moscovici, lembrando que o líder cessante do fórum dos ministros das Finanças da zona euro também chegou ao lugar num momento-chave.

Concluir o programa de assistência na Grécia é um dos desafios de Centeno, bem como a reforma da União Económica e Monetária, referiu, adiantando que o novo líder do Eurogrupo conta com o seu "forte apoio".

"Parabéns, amigo", disse Moscovici, em português.

O ministro das Finanças português, Mário Centeno, foi hoje eleito presidente do Eurogrupo, ao impor-se na segunda volta da votação realizada em Bruxelas, anunciou o Conselho da União Europeia.

Centeno foi o mais votado na primeira volta (oito votos), após a qual saíram da "corrida" a letã Dana Reizniece-Ozola e o eslovaco Peter Kazimir, tendo o ministro português derrotado o candidato luxemburguês Pierre Gramegna na segunda volta da eleição.

Centeno torna-se assim o terceiro presidente da história do fórum de ministros das Finanças da zona euro, depois do luxemburguês Jean-Claude Juncker e do holandês Jeroen Dijsselbloem, assumindo funções em janeiro próximo.

Dentro de minutos terá início uma conferência de imprensa na qual Dijsselbloem apresentará o seu sucessor, Mário Centeno, que iniciará em meados de janeiro um mandato de dois anos e meio, até meados de 2020.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.