EUA são culpados de "criminosa escalada de confrontação"

Jerónimo de Sousa aponta o dedo ao "imperialismo norte-americano". No palco esteve uma delegação do partido comunista norte-coreano

Sem nomear a administração americana de Donald Trump nem a Coreia do Norte, Jerónimo de Sousa acusou este domingo à tarde o "imperialismo norte-americano" de ser "responsável por uma criminosa escalada de confrontação que, a não ser travada, conduzirá a Humanidade à catástrofe".

Na cabeça de todos está a crise na península coreana, depois do regime de Pyongyang ter lançado mísseis em direção ao Japão e ter anunciado que testou com sucesso a "bomba H".

Para o secretário-geral do PCP, que falava no encerramento da Festa do Avante!, no Seixal, "nunca terá sido tão importante como o é hoje, ampliar e fortalecer a luta pela paz e pelo desarmamento - a começar pela não proliferação e abolição das armas nucleares".

Falando num palco onde estava representada uma delegação do partido comunista norte-coreano, Jerónimo acrescentou que é preciso cumprir os "princípios da Carta das Nações Unidas e do direito internacional" e lembrou o "respeito do direito à autodeterminação e da soberania dos povos".

Fim da URSS foi "imenso recuo para paz e progresso"

Num momento do discurso em que fez uma leitura da atualidade internacional, o secretário-geral do PCP recordou que este ano passam 100 anos sobre a revolução de outubro, "a primeira revolução que se lançou na construção de uma sociedade nova, uma sociedade livre da exploração do homem pelo homem, iniciando assim uma nova época - a época da passagem do capitalismo ao socialismo".

Com esta introdução deixou um elogio à antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). "A URSS e o sistema socialista marcaram as conquistas e avanços históricos conquistados durante o século XX pelos trabalhadores e os povos na sua luta de emancipação social e nacional. O seu desaparecimento representou um imenso recuo para as forças da paz e do progresso social, nos direitos dos trabalhadores e na soberania dos povos."

Ausente do discurso final de Jerónimo esteve a situação atual na Venezuela, apesar de na área internacional da festa estarem representadas duas delegações venezuelanas.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.