EUA são culpados de "criminosa escalada de confrontação"

Jerónimo de Sousa aponta o dedo ao "imperialismo norte-americano". No palco esteve uma delegação do partido comunista norte-coreano

Sem nomear a administração americana de Donald Trump nem a Coreia do Norte, Jerónimo de Sousa acusou este domingo à tarde o "imperialismo norte-americano" de ser "responsável por uma criminosa escalada de confrontação que, a não ser travada, conduzirá a Humanidade à catástrofe".

Na cabeça de todos está a crise na península coreana, depois do regime de Pyongyang ter lançado mísseis em direção ao Japão e ter anunciado que testou com sucesso a "bomba H".

Para o secretário-geral do PCP, que falava no encerramento da Festa do Avante!, no Seixal, "nunca terá sido tão importante como o é hoje, ampliar e fortalecer a luta pela paz e pelo desarmamento - a começar pela não proliferação e abolição das armas nucleares".

Falando num palco onde estava representada uma delegação do partido comunista norte-coreano, Jerónimo acrescentou que é preciso cumprir os "princípios da Carta das Nações Unidas e do direito internacional" e lembrou o "respeito do direito à autodeterminação e da soberania dos povos".

Fim da URSS foi "imenso recuo para paz e progresso"

Num momento do discurso em que fez uma leitura da atualidade internacional, o secretário-geral do PCP recordou que este ano passam 100 anos sobre a revolução de outubro, "a primeira revolução que se lançou na construção de uma sociedade nova, uma sociedade livre da exploração do homem pelo homem, iniciando assim uma nova época - a época da passagem do capitalismo ao socialismo".

Com esta introdução deixou um elogio à antiga União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). "A URSS e o sistema socialista marcaram as conquistas e avanços históricos conquistados durante o século XX pelos trabalhadores e os povos na sua luta de emancipação social e nacional. O seu desaparecimento representou um imenso recuo para as forças da paz e do progresso social, nos direitos dos trabalhadores e na soberania dos povos."

Ausente do discurso final de Jerónimo esteve a situação atual na Venezuela, apesar de na área internacional da festa estarem representadas duas delegações venezuelanas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.