Estudante português encontrado morto numa praia da Tailândia

Família não acredita na tese da polícia que indica morte por afogamento

Julian David, um estudante português de 22 anos que também tinha nacionalidade sul-africana, foi encontrado morto esta terça-feira numa praia tailandesa. De acordo com o site tailandês Daily Hua Hin, a polícia indicou que o rapaz estava morto há dois dias e foi aberta uma investigação. A imprensa local avança que o jovem morreu por afogamento.

A mãe do rapaz, que não é portuguesa, viajou para a Tailândia e está a ser acompanhada pelos serviços consulares portugueses no país, disse ao DN o gabinete do Secretário de Estado das Comunidades, que confirmou a morte de Julian David.

O jovem foi rfoi encontrado numa praia situada a 200 quilómetros de Banguecoque, estava vestido e a roupa tinha manchas de sangue, segundo a imprensa tailandesa. Os familiares do jovem acreditam que Julian terá sido assassinado.

Julian era estudante numa universidade tailandesa e costumava nadar na praia onde foi encontrado morto. Segundo a família, seria até um "campeão de natação".

"O Julian não se afogou. Ninguém nada com roupas e com documentos de identificação no bolso. Há algo mais. Mas ninguém fala disso. Não tem tatuagens. Por isso, como é que o corpo ficou marcado?", escreveu o pai do jovem, Carlos David, na sua página de Facebook.

O progenitor do estudante, que é português, tem publicado vários posts a desmentir as informações veiculadas pela polícia tailandesa, como as supostas tatuagens de Julian David e que este terá sido vítima de afogamento, por cãibra ou convulsão.

"A polícia vai esconder tudo, para que possam continuar a manter aquele país de porcaria a andar", escreveu ainda.

Ao DN, o gabinete do Secretário de Estado das Comunidades disse que "a mãe (da vítima) está a ser acompanhada pelos serviços consulares portugueses na Tailândia", com os quais contactou na quarta-feira.

Portugal também está "em contacto com as autoridades tailandesas para tentar apurar mais informações sobre esta trágica situação".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.