Estratégia do PSD para autárquicas favorece candidatura de Santana

Calendário definido pelo PSD torna mais provável uma candidatura do antigo líder. Concelhia já definiu perfil, onde encaixa o ex-líder. Santana Lopes ainda não decidiu

A estratégia que o PSD definiu para as autárquicas - de aprovar o perfil do autarca só em julho e de apresentar um candidato a Lisboa só no último terço do ano - aproxima o antigo líder Santana Lopes de uma candidatura a Lisboa. A juntar a isso a concelhia definiu recentemente um perfil de candidato à capital que, embora não vinculativo, encaixa nas características do antigo primeiro-ministro. E não só.
Vamos ao calendário, que é agora favorável a Santana. Inicialmente, chegou a estar previsto que o PSD tivesse um candidato em maio, dado que o principal adversário à esquerda já é conhecido (Fernando Medina). O PSD decidiu, no entanto, só aprovar o perfil do candidato autárquico no próximo Conselho Nacional, que só será em julho. Metem-se depois as férias, a silly season, e o candidato a Lisboa só será apresentado na rentrée em setembro ou outubro.

Ora, se Santana Lopes tivesse de decidir este mês, provavelmente diria que não - já que acabou de acordar com António Costa a recondução na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa. Mas, no final do ano, abre-se margem para que possa aceitar o desafio. Só depende dele.

O líder do PSD/Lisboa, Mauro Xavier (apontado como "santanista") confirma que o candidato deverá ser apresentado em "setembro/outubro", embora não adiante nomes.

Quanto ao perfil escolhido para a concelhia, garante apenas que "não exclui, de maneira nenhuma, o doutor Santana Lopes". Já sobre se a nova calendarização favorece o antigo primeiro-ministro, Mauro Xavier diz apenas: "Gosto da expressão keep cool [que Santana utilizou no congresso], mas antes do final de outubro temos de ter candidato."

No que diz respeito à escolha, a concelhia propõe que seja "feita em acordo de quatro estruturas: a concelhia, a distrital, a coordenação autárquica e quem tem a decisão: a presidência do partido". E, até agora, garante Mauro Xavier, estão "todos alinhados".

O presidente da distrital de Lisboa, Miguel Pinto Luz, considera Santana Lopes um grande ativo autárquico (ver entrevista ). No entanto, o DN apurou que será difícil o partido escolher outro candidato caso Santana decida avançar. Pelo currículo e pelo peso político de que dispõe. Resta saber a disponibilidade do próprio. No congresso, lançou o mote, com dúvida que baste, sobre uma eventual candidatura a Lisboa: "Keep cool, tenham calma, tudo a seu tempo".

Ao DN, fonte próxima admite que o atual provedor da SCML "tem recebido, quer da parte partidária, quer de privados, quer de pessoas na rua, incentivos a que avance para Lisboa e que dizem que foi um grande presidente".

No entanto, a mesma fonte revela que Santana "ainda não pensou no tema", pois "está cheio de trabalho na SCML, onde acumula vários pelouros". Há dois pontos, continua a mesma fonte, que são, para já, contras à sua candidatura: "a vida profissional estabilizada, no escritório de advogados, onde tem muito trabalho" e "a excelente relação institucional que tem com Fernando Medina". Mas não são inibidores de uma candidatura no final do ano.

Ora, o DN sabe ainda que têm sido sondadas outras figuras como Maria Luís Albuquerque, Marques Mendes e Moreira da Silva. O líder da concelhia recusa comentar qualquer nome, mas não nega que considera que Santana Lopes "foi um grande presidente" do município lisboeta.

No PSD têm sido várias as vozes a elogiar Santana. O ex-vice-presidente da bancada do PSD José Eduardo Martins - ele próprio desafiado por José Pedro Aguiar Branco a avançar - disse ao DN no último sábado que "Pedro Santana Lopes é, goste-se ou não se goste - e eu gosto -, um dos grandes ativos eleitorais do PSD. Um dos maiores. Conseguiu, mais uma vez, reinventar-se e, por isso, é um ativo que o PSD não pode desperdiçar".

Também o histórico Ângelo Correia afirmou que "Santana Lopes é sempre uma referência do PSD. Faz sentido qualquer que seja candidato a qualquer lugar importante que o PSD concorra". Mas acrescenta: "De qualquer modo, há outros lugares a que ele se pode candidatar."

A ex-ministra Paula Teixeira da Cruz não quis comentar uma eventual candidatura de Santana, pois diz que comentar nomes é, neste momento, "extemporâneo".

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.