"Estou a fazer aquilo que faço melhor, que é resolver problemas"

Constança Urbano de Sousa admitiu falhas "intermitentes" no SIRESP mas acusou o PSD de não ter antes resolvido nada.

O PSD queria "humildade" e "responsabilidades" assumidas por parte da ministra da Administração Interna em relação às "falhas" na prevenção e combate aos incêndios, desde Pedrógão Grande, no qual morreram 64 pessoas, até aos mais recentes em Mação e Sertã e que a governante pedisse desculpa ao país. Constança Urbano de Sousa deixou os sociais-democratas como entraram na audição parlamentar, na tarde desta quinta-feira: sem vitórias políticas.

"A Sra. Ministra manifestou uma atitude, que também tem sido a do governo em geral, que é não deixar que a verdade estrague uma boa narrativa comunicacional", sintetizou o deputado do PSD, Carlos Abreu Amorim. Para o PSD a equipa do Ministério da Administração Interna "foi impotente" e "não esteve à altura da tragédia".

A titular da pasta foi chamada pelo partido de Pedro Passos Coelho para explicar as "falhas" no SIRESP, o sistema de comunicações de emergência utilizado pelos bombeiros e polícias, cujo desempenho tem sido repetidamente criticado pelos operacionais no terreno. Constança Urbano de Sousa, embora primeiro tivesse alinhado no apelo de Marcelo Rebelo de Sousa e pedido que não se fizesse aproveitamento político das vítimas dos incêndios, acabou para atirar para os anteriores governos do PSD/CDS a responsabilidade pelos "problemas" que assumiu existirem no SIRESP e que não foram antes resolvidos. "Estou a fazer agora aquilo que sei fazer melhor, que é resolver problemas", sublinhou, já no final da audição refutando acusações feitas pela oposição de que não se tinha escudado "nas questões meteorológicas, mas simplesmente explicado que há, de facto, situações imprevisíveis".

A ministra da Administração Interna lembrou que as "falhas" do SIRESP "não são de agora" e que foram identificados problemas já em 2012 e 2013, no incêndio do Caramulo (no qual morreram oito bombeiros) e nas cheias no Algarve. "E o que fizeram os senhores?", questionou. "Encomendaram uma auditoria a uma consultora, por acaso conhecida pela sua especialidade em assuntos fiscais e financeiros", ironizou. O estudo na KPMG, que avançou ter custado ao Estado 246 mil euros, ficou concluído em 2014, indicando um conjunto de medidas para reforçar a resiliência e a redundância do SIRESP. "De todo o pacote de medidas o anterior governo apenas cumpriu duas. Todas as restantes estão a ser implementadas por nós. Mas, claro, não são coisas que se façam de um dia para o outro", afirmou.

Constança Urbano de Sousa garantiu que o SIRESP "não falha totalmente", mas tem "algumas intermitências nas comunicações" em momentos de maior utilização, como é o caso de um teatro de operações."O problema tem que ser resolvido de duas formas: tornar a rede mais resiliente, ou seja, as suas ligações fixas, mas também dotá-la de sistemas mais redundantes", afirmou.

Na audição, que durou quase três horas, PCP e BE voltaram a defender o fim da Parceria Público Privada que gere o SIRESP e a passagem do sistema para a esfera pública. O CDS, através de Telmo Correia, insistiu na demissão, como o partido já tinha feito antes, e afirmou que a ministra "falhou redondamente", não só nos casos de Pedrógão Grande, em junho, como quanto as suas prioridades de prevenção, nomeadamente na tentativa de controlo dos incêndios no "ataque inicial".

Antes da audição, o PSD devolveu ao Governo as acusações de atitudes indignas na polémica em torno da lista de mortos nos incêndios de Pedrógão Grande e avisou que este caso não está encerrado.

Carlos Abreu Amorim, vice-presidente da bancada do PSD, utilizou a mesma palavra "indigno"usada pelo Governo, para dizer que "indigno é não ter chegado, até ao momento, um cêntimo de dinheiro público" e de donativos às populações afetadas pelos incêndios de junho na região centro.

Como é "indigno", repetiu, que o Governo tenha adiado para setembro a aprovação de um projeto de lei do PSD, que tinha o apoio do PCP e do BE, que criava "um mecanismo urgente extrajudicial" para acelerar a reparação de danos às famílias dos mortos e dos feridos.

E indigna é a "lei da rolha" para os comandantes distritais dos bombeiros e as mudanças de comandos a poucos meses do início da época dos incêndios, acrescentou.

Carlos Abreu Amorim criticou ainda a lentidão na divulgação da lista de mortos - que só aconteceu na terça-feira - e disse que foi "graças à pressão do PSD" e também da comunicação social que isso aconteceu. Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

As culpas de Sánchez no crescimento do Vox

resultado eleitoral do Vox, um partido por muitos classificado como de extrema-direita, foi amplamente noticiado em Portugal: de repente, na Andaluzia, a mais socialista das comunidades autónomas, apareceu meio milhão de fascistas. É normal o destaque dado aos resultados dessas eleições, até pelo que têm de inédito. Pela primeira vez a esquerda perdeu a maioria e os socialistas não formarão governo. Nem quando surgiu o escândalo ERE, envolvendo socialistas em corrupção, isso sucedera.

Premium

João Taborda da Gama

Nunca é só isso

Estou meses sem ir a Coimbra e numa semana fui duas vezes a Coimbra. Até parece uma anedota que havia, muito ordinária, que acabava numa carruagem de comboio com um senhor a dizer vamos todos para Coimbra, vamos todos para Coimbra, mas também não me lembro bem e não é o melhor sítio para a contar mesmo que me lembrasse. Dizia que fui duas vezes a Coimbra numa semana, e das duas encontrei pessoas conhecidas de que não estava à espera, no comboio, no café, na rua. Duas coisas que acontecem cada vez menos, as pessoas contarem anedotas umas às outras, muito menos ordinárias, que não se pode, e encontrarem-se por acaso, que não acontece. E não se encontram por acaso, porque mais dificilmente se desencontram. Para encontrar é preciso desencontrar, e quando o contacto é constante, quando a aparência de acompanhamento da vida do outro rodeia tudo o que fazemos, é difícil sentir o desencontro.

Premium

Ruy Castro

Uma multidão de corruptos injusta e pessoalmente perseguidos

Nenhum agente público no Brasil, nem mesmo o presidente da República, pode ganhar acima de 33 mil reais por mês. Isso equivale a pouco mais de oito mil euros - o que, para as responsabilidades de certas funções, pode ser considerado um salário modesto. Mas você ficaria surpreso ao ver como, no Brasil, esse valor ganha uma extraordinária elasticidade e consegue adquirir coisas que, em outros países, custariam muito mais dinheiro. Com ele, nossos políticos compram, por exemplo, redes inteiras de estações de rádio e televisão, prédios de 20 ou mais andares em regiões de proteção ambiental e edificação proibida e extensões de terra maiores do que a área de certos países europeus. É um fenómeno. Mais surpreendente ainda foi o que descobrimos esta semana. O governador do estado do Rio - cuja capital é a infeliz cidade do Rio de Janeiro -, Luiz Fernando Pezão, fez apenas 11 saques em suas contas bancárias de 2007 a 2014. Alguns desses saques eram no valor de três euros, o que lhe permitiria comprar no máximo um saco de pipocas, e nenhum acima de oitocentos euros. Por mais que Pezão pareça um sujeito humilde e desapegado, como se pode viver com tão pouco? Talvez tivesse dinheiro em espécie acumulado em algum lugar - quem sabe um cofre em sua casa ou mesmo o seu próprio colchão -, do qual fosse retirando apenas o suficiente para seus alfinetes. Não por acaso, a Polícia Federal prendeu-o na semana passada, acusando-o de ter recebido o equivalente a dez milhões de euros de propina, naquele período em que ele era vice-governador do então titular Sérgio Cabral - que, por sua vez, está condenado por enquanto a 197 anos de prisão por corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Cabral é acusado também de ter cerca de 85 milhões de euros em depósitos fora do Brasil. Onde estarão os milhões de Pezão? E Michel Temer, dentro de 20 dias a contar de hoje, deixará de ser presidente do Brasil. No dia 1 de janeiro, uma terça-feira, passará a faixa presidencial a seu sucessor e perderá a imunidade que o impede de ser condenado por atividades ilícitas anteriores ao seu mandato. É quase certo que, já no dia seguinte, agentes da Polícia Federal baterão à sua porta em São Paulo, para levá-lo a explicar-se sobre as atividades ilícitas praticadas antes e durante o mandato. Explicações que ele terá dificuldade para dar, já que os investigadores parecem ter provas robustas de suas trampolinagens. E não se pense que tudo nessa turma se refere a milhões - uma inocente obra de reparos na casa de uma filha de Temer em São Paulo, "oferecida" por um empresário, indica um gesto de gratidão desse empresário por certa obra de vulto em que Temer, como presidente, o favoreceu. Nem toda a corrupção tem o dinheiro como fim. Ele pode ser também um meio - para se chegar ao mesmo fim. No caso do Brasil, foi o que prevaleceu nos últimos 15 anos: o desvio de dinheiro público para a manutenção do poder político, eternizando o desvio de dinheiro público. É uma equação diabólica, principalmente se maquiada de uma tintura ideológica - práticas de direita com um discurso de esquerda. E não se pense também que isso envolveu apenas os políticos. A Operação Lava-Jato, que está botando para fora os podres do país, condenou até agora 65 pessoas à prisão, das quais somente 13 políticos, num total de quase duzentas em fase de investigação ou já denunciadas. Entre estas, contam-se doleiros, operadores de câmbio, publicitários, lobistas, pecuaristas, irmãos, cunhados, ex-mulheres e "amigos" de políticos e carregadores de malas de dinheiro, além de funcionários, gerentes de serviço, executivos, tesoureiros, diretores, sócios-proprietários e presidentes de grandes empresas. Entre os presos ou investigados, estão também um ex-presidente da Câmara dos Deputados, um ex-presidente do Senado, vários ex-ministros de Estado (dos quais três ex-ministros da Fazenda), três ex-tesoureiros do Partido dos Trabalhadores, meia dúzia de altos funcionários da Petrobras, o ex-presidente do banco de desenvolvimento nacional, seis ex-governadores estaduais, os presidentes das quatro maiores empresas de construção civil do Brasil e quatro ex-presidentes da República. Um deles, Luiz Inácio Lula da Silva. Portanto, quando lhe falarem que o querido Lula está sofrendo uma perseguição pessoal e injusta, pense nos citados acima, tão injusta e pessoalmente perseguidos quanto ele.

Premium

Marisa Matias

O Christian, a Rosa e a rua

Quero falar-vos do Christian Georgescu, uma daquelas pessoas que a vida nos dá o privilégio de conhecer. Falo-vos com nome e apelido porque a história dele é pública. Nasceu em Bucareste, na Roménia, tem 40 anos e encontrou casa no Porto. Trabalhou desde cedo até que um dia lhe faltou comida na mesa. A crise no início dos anos 2000 e a necessidade de dar de comer à filha fizeram que decidisse entrar num mundo paralelo. A juntar a isso, começou a consumir drogas e foi preso. Quando saiu percebeu que tinha de ir para longe para mudar e veio para o Porto.