Estirpe da Adubos só foi confirmada em cinco mortos

Maioria das vítimas não está ligada à bactéria das torres. Processos contra o Estado por omissão na lei podem avançar

Apenas cinco das 14 pessoas que morreram na sequência do surto de legionela ocorrido em novembro de 2014 tinham a estirpe da bactéria, cujo foco de propagação terá estado numa das torres de refrigeração da Adubos de Portugal. Esta questão, segundo fonte ligada ao processo, poderá, a médio prazo, colocar a questão da indemnização: a quem é que as famílias das nove vítimas poderão pedi-la em caso de condenações?

O mesmo problema coloca-se às vítimas que foram infetadas e até hospitalizadas: apenas 75 em 152 amostras clínicas recolhidas foram registadas como portadoras da estirpe ST1905 encontrada nas amostras de água colhidas na tal torre da AdP.

Ou seja, há uma grande quantidade de vítimas cuja origem da contaminação não foi identificada pela investigação. "A eventual responsabilização das empresas é muito complicada, restará às pessoas, eventualmente, avançar com uma ação de responsabilidade contra o Estado." E esta ação, de acordo com a mesma fonte, poderá ter na base a omissão de legislação específica relacionada com a legionela (ver texto ao lado). Ao contrário do que, por exemplo, acontece com Espanha, onde existe legislação sobre o controlo e a monitorização da bactéria. Como está em causa, sobretudo, eventuais condutas negligentes, estas são de prova difícil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."