Estar com militares no exterior é "ação de solidariedade"

Diplomatas portugueses foram recolher votos dos militares em missões externas para as presidenciais em cinco teatros de guerra

Levar os boletins de voto aos militares destacados no estrangeiro constitui "uma ação de solidariedade" com quem está "a dar o seu melhor ao serviço do país", disse esta quinta-feira o embaixador de Portugal em Abu Dhabi.

"Além do simples cumprimento de uma formalidade", sublinhou Jaime leitão ao DN, essa missão permitiu-lhe dar aos militares em missão no Iraque "a garantia de que não são esquecidos nos momentos importantes da vida nacional".

É a garantia de que não são esquecidos nos momentos importantes da vida nacional

Trata-se de "uma ação de solidariedade para com compatriotas que estão a dar o seu melhor ao serviço do País de onde estão longe - seja no Iraque, no Mali ou no Afeganistão -, trazendo-lhes a garantia de que não são esquecidos nos momentos importantes da vida nacional", enfatizou o embaixador.

Jaime Leitão esteve no Iraque entre os dias 12 e 14 deste mês, tendo viajado por razões de segurança durante a noite e de helicóptero - das forças norte-americanas - entre o aeroporto de Bagdade e o Campo Gran Capitan, da base militar de Besmaya.

Miguel Machado integrou o primeiro contingente militar enviado para o exterior desde o fim da guerra colonial. Foi na Bósnia, onde regressou em 2012

Jaime Leitão, citando o comandante dessa Força Nacional Destacada, referiu ainda que a sua presença "foi especialmente apreciada e sentida como um sinal de apoio e uma distinção relativamente aos restantes contingentes" de outros países instalados na base de Besmaya.

O contingente português envolvido na operação "Inherent Resolve", a cargo de uma coligação internacional liderada pelos EUA que combate o Estado Islâmico no Iraque, é formada por 30 militares: 11 oficiais, 16 sargentos e três praças. A sua responsabilidade é formar e treinar os militares iraquianos. Há ainda dois oficiais de ligação colocados em quartéis-generais da força.

Miguel Machado, tenente-coronel paraquedista com experiência de missões de paz no exterior, confirmou ao DN a importância de visitas como as que realizaram este mês os diplomatas enviados ao Iraque, Somália, Kosovo, Mali, Afeganistão e República Centro Africana.

"É muito importante para quem lá está. Quem vê de fora pode achar que é publicidade, mas um diplomata, um ministro, um primeiro-ministro ou um Presidente receberem um relatório é uma coisa, estar lá e falar e ouvir os militares destacados é outra", explicou Miguel Machado.

A título de exemplo sobre a "componente emocional" desse tipo de visitas, o militar lembrou o caso dos "militares a chorar ao ouvir" o governante que, na Bósnia, elogiava o seu esforço e reconhecia os sacrifícios" que faziam ao em prol da paz na Bósnia.

Militares na Bósnia choraram ao ouvir discurso de governante português

Jaime Leitão contou também que "a votação decorreu com toda a normalidade, entrando os eleitores um a um no local onde a mesa de voto foi instalada - o contentor que serve de gabinete do comando do contingente português".

Para o efeito foi colocada "uma divisória atrás da qual cada eleitor" preencheu "com toda a confidencialidade o respetivo boletim", que dobrou em quatro, colocou num sobrescrito branco que depois foi posto dentro de um envelope azul com o respetivo número de eleitor e da freguesia onde está recenseado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.

Premium

Henrique Burnay

O momento Trump de Macron

Há uns bons anos atrás, durante uns dias, a quem pesquisasse, no Yahoo ou Google, já não me lembro, por "great French military victories" era sugerido se não quereria antes dizer "great French military defeats". A brincadeira de algum hacker com sentido de ironia histórica foi mais ou menos repetida há dias, só que desta vez pelo presidente dos Estados Unidos, depois de Macron ter dito a frase mais grave que podia dizer sobre a defesa europeia. Ao contrário do hacker de há uns anos, porém, nem o presidente francês nem Donald Trump parecem ter querido fazer humor ou, mais grave, percebido a História e o presente.

Premium

Ruy Castro

Um Vinicius que você não conheceu

Foi em dezembro de 1967 ou janeiro de 1968. Toquei a campainha da casa na Gávea, bairro delicioso do Rio, onde morava Vinicius de Moraes. Vinicius, você sabe: o poeta, o compositor, o letrista, o showman, o diplomata, o boémio, o apaixonado, o homem do mundo. Ia entrevistá-lo para a Manchete, revista em que eu trabalhava. Um empregado me conduziu à sala e mandou esperar. De repente, passaram por mim, vindas lá de dentro, duas estagiárias de jornal ou, talvez, estudantes de jornalismo - lindas de morrer, usando perturbadoras minissaias (era a moda na época), sobraçando livros ou um caderno de anotações, rindo muito, e foram embora. E só então Vinicius apareceu e me disse olá. Vestia a sua tradicional camisa preta, existencialista, de malha, arregaçada nos cotovelos, a calça cor de gelo, os sapatos sem meias - e cheirava a talco ou sabonete, como se tivesse acabado de sair do banho.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Dispensar o real

A minha mãe levou muito a sério aquele slogan dos anos 1970 que há quem atribua a Alexandre O'Neill - "Há sempre um Portugal desconhecido que espera por si" - e todos os domingos nos metia no carro para conhecermos o país, visitando igrejas, monumentos, jardins e museus e brindando-nos no final com um lanche em que provávamos a doçaria típica da região (cavacas nas Caldas, pastéis em Tentúgal). Conheci Santarém muito antes de ser a "Capital do Gótico" e a Capela dos Ossos foi o meu primeiro filme de terror.