Estar com militares no exterior é "ação de solidariedade"

Diplomatas portugueses foram recolher votos dos militares em missões externas para as presidenciais em cinco teatros de guerra

Levar os boletins de voto aos militares destacados no estrangeiro constitui "uma ação de solidariedade" com quem está "a dar o seu melhor ao serviço do país", disse esta quinta-feira o embaixador de Portugal em Abu Dhabi.

"Além do simples cumprimento de uma formalidade", sublinhou Jaime leitão ao DN, essa missão permitiu-lhe dar aos militares em missão no Iraque "a garantia de que não são esquecidos nos momentos importantes da vida nacional".

É a garantia de que não são esquecidos nos momentos importantes da vida nacional

Trata-se de "uma ação de solidariedade para com compatriotas que estão a dar o seu melhor ao serviço do País de onde estão longe - seja no Iraque, no Mali ou no Afeganistão -, trazendo-lhes a garantia de que não são esquecidos nos momentos importantes da vida nacional", enfatizou o embaixador.

Jaime Leitão esteve no Iraque entre os dias 12 e 14 deste mês, tendo viajado por razões de segurança durante a noite e de helicóptero - das forças norte-americanas - entre o aeroporto de Bagdade e o Campo Gran Capitan, da base militar de Besmaya.

Miguel Machado integrou o primeiro contingente militar enviado para o exterior desde o fim da guerra colonial. Foi na Bósnia, onde regressou em 2012

Jaime Leitão, citando o comandante dessa Força Nacional Destacada, referiu ainda que a sua presença "foi especialmente apreciada e sentida como um sinal de apoio e uma distinção relativamente aos restantes contingentes" de outros países instalados na base de Besmaya.

O contingente português envolvido na operação "Inherent Resolve", a cargo de uma coligação internacional liderada pelos EUA que combate o Estado Islâmico no Iraque, é formada por 30 militares: 11 oficiais, 16 sargentos e três praças. A sua responsabilidade é formar e treinar os militares iraquianos. Há ainda dois oficiais de ligação colocados em quartéis-generais da força.

Miguel Machado, tenente-coronel paraquedista com experiência de missões de paz no exterior, confirmou ao DN a importância de visitas como as que realizaram este mês os diplomatas enviados ao Iraque, Somália, Kosovo, Mali, Afeganistão e República Centro Africana.

"É muito importante para quem lá está. Quem vê de fora pode achar que é publicidade, mas um diplomata, um ministro, um primeiro-ministro ou um Presidente receberem um relatório é uma coisa, estar lá e falar e ouvir os militares destacados é outra", explicou Miguel Machado.

A título de exemplo sobre a "componente emocional" desse tipo de visitas, o militar lembrou o caso dos "militares a chorar ao ouvir" o governante que, na Bósnia, elogiava o seu esforço e reconhecia os sacrifícios" que faziam ao em prol da paz na Bósnia.

Militares na Bósnia choraram ao ouvir discurso de governante português

Jaime Leitão contou também que "a votação decorreu com toda a normalidade, entrando os eleitores um a um no local onde a mesa de voto foi instalada - o contentor que serve de gabinete do comando do contingente português".

Para o efeito foi colocada "uma divisória atrás da qual cada eleitor" preencheu "com toda a confidencialidade o respetivo boletim", que dobrou em quatro, colocou num sobrescrito branco que depois foi posto dentro de um envelope azul com o respetivo número de eleitor e da freguesia onde está recenseado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.