Estão escolhidos os deputados da comissão de inquérito às rendas da energia

Presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, dá posse à comissão na próxima quarta-feira

Estão nomeados os deputados que vão integrar a "Comissão Parlamentar de Inquérito ao Pagamento de Rendas Excessivas aos Produtores de Eletricidade", que tomará posse na próxima quarta-feira. O grupo contará, entre os efetivos, com sete deputados do PSD, seis do PS, um do Bloco de Esquerda, um do CDS, um do PCP e um do PEV.

O PSD contará com sete parlamentares no grupo: Jorge Paulo Oliveira, António Topa, Duarte Marques, Helga Correia, Joel Sá, Virgílio Macedo e Maria das Mercês Borges. Como suplentes, estarão na comissão Emídio Guerreiro (que é vice-presidente da bancada parlamentar social-democrata), Fátima Ramos e Paulo Rios de Oliveira. O PSD, que terá a presidência da comissão, não revela para já quem será o deputado a conduzir os trabalhos.

Pelo PS, integram a comissão Carlos Pereira (vice-presidente da bancada), Luís Testa (coordenador para a área da Economia), Hortense Martins, Hugo Costa, Fernando Anastácio e André Pinotes. Os deputados Carla Tavares, Ana Passos e Santinho Pacheco serão os suplentes socialistas.

O Bloco de Esquerda, que avançou com a proposta de constituição da comissão de inquérito, nomeou Jorge Costa para o único assento que os bloquistas têm na comissão. Sem surpresa, já que é o deputado responsável pelas questões da energia. Moisés Ferreira e Maria Manuel Rola serão os suplentes.

O mesmo no PCP, que escolheu o deputado que acompanha esta área, Bruno Dias. Como suplentes, a bancada comunista terá na comissão os deputados António Filipe e Miguel Tiago. O PCP terá uma das vice presidências da comissão parlamentar (a outra cabe ao PS).

O CDS não revelou, até agora, quem será o deputado centrista na comissão.

Pelo PEV, estará na comissão José Luís Ferreira. Heloísa Apolónia será suplente.

A comissão parlamentar de inquérito vai funcionar nos próximos 180 dias (que podem ser prorrogados) e visa analisar todo o processo em torno dos CMEC (Custos de Manutenção do Equilíbrio Contratual), desde a sua constituição, em 2004, até à atualidade. A comissão propõe-se passar a pente fino todas as alterações legislativas e atos administrativos levados a cabo pelos sucessivos governos, bem como todas as rendas e subsídios já pagos e a pagar ao setor elétrico à luz deste regime.

Entre os objetivos da comissão conta-se também apurar se houve "favorecimento por parte de governos relativamente à EDP, à REN e a outras empresas do setor elétrico, no caso dos CMEC, dos CAE [que antecederam os CMEC] e de outros instrumentos", bem como a "existência de atos de corrupção ou enriquecimento sem causa de responsáveis administrativos ou titulares de cargos políticos com influência na definição das rendas no setor energético".

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".