Estagiários deixam governo debaixo de fogo

Partidos acusam executivo de contrariar o que promete: por um lado combate a precariedade, por outro recorre aos seus serviços

A notícia, avançada ontem pelo DN, de que o Centro Jurídico da Presidência do Conselho de Ministros (CEJUR) abriu uma nova unidade, com a função de avaliar o impacto das leis, que é maioritariamente constituída por estagiários, colocou o governo debaixo de fogo, à esquerda e à direita.

Em declarações aos jornalistas à margem da convenção nacional autárquica que o PSD organizou na Maia, Porto, o líder parlamentar do partido afirmou que a notícia revela que o governo "anda há muitos meses a anunciar propaganda enganosa". "Bem prega frei Tomás: "Olha para o que ele diz, não olhes para o que ele faz." Este governo é um governo que anda há muitos meses a anunciar uma publicidade enganosa. A anunciar a integração de precários nos quadros permanentes da administração, a anunciar a intenção de acabar com a precariedade na administração pública, mas ao mesmo tempo a usar subterfúgios como aquele que hoje foi noticiado", disse Luís Montenegro.

Exigindo "explicações muito claras e objetivas", considerando como "não admissível que no centro da governação, na presidência do Conselho de Ministros, se tenha uma atitude ilegal e imprópria", Montenegro acrescentou que, "independentemente das explicações que queiram agora adiantar, parece que a situação existe e é indesmentível, este governo prega uma coisa e faz outra". O CDS também atacou o governo, dizendo que se está perante "uma espécie de Simplex remuneratório" - expressão do eurodeputado Nuno Melo. Esta medida traduz uma "institucionalização da precariedade com o alto patrocínio do Estado, tendo em conta que quem oferece o estágio e não paga um cêntimo por isso é rigorosamente quem governa", disse.

À esquerda, o Bloco explorou o caso a várias vozes. Primeiro foi o deputado José Soeiro: "Há claramente indícios de que estão a ser utilizados estagiários para funções que parecem ser funções permanentes." E "há também uma referência a estágios profissionais não remunerados, foi isso que foi divulgado e isso é ilegal, e portanto, enfim, estamos à espera de saber como funciona, de ouvir os argumentos do governo". Mais tarde, a própria líder do partido falaria do assunto: "Quem pensa que o Bloco de Esquerda calará alguma das lutas que são as suas lutas de sempre está muito enganado. Nós soubemos do caso, denunciamo-lo, o José Soeiro já questionou, e bem, o governo sobre esta matéria, e não largamos. Tem de ser corrigido."

O governo emitiu uma nota dizendo que se trata de estágios curriculares para alunos em fase de mestrado ou doutoramento. "Dois dos estagiários em causa vão apresentar dissertações de mestrado sobre a área de avaliação de impacto de políticas públicas. No caso dos outros dois estagiários, o período de presença no CEJUR (que corresponderá, respetivamente, a quatro e seis meses) terá uma equivalência a créditos, para efeitos de obtenção do grau de mestre ou de valorização curricular, tal como previsto nos respetivos planos de curso das universidades cooperantes." O ministro do Trabalho, Vieira da Silva, disse não acreditar que haja qualquer intenção da presidência do Conselho de Ministros de encontrar um trabalho usando um vínculo desadequado. "Obviamente que se houver algum problema iremos corrigi-lo." Com Lusa

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.