Estacionamento e uma praça. O Campo das Cebolas está a renascer

Construção de parque subterrâneo com 230 lugares começa em outubro. Previsto o fim da barreira entre avenida e doca da Marinha

A construção de um parque de estacionamento subterrâneo com capacidade para 230 veículos no Campo das Cebolas, em Lisboa, vai começar no "início do próximo mês", depois de ter já sido concluída a demolição de algumas estruturas que ali existiam, garantiu na terça-feira na assembleia municipal (AML) o presidente da câmara municipal (CML), Fernando Medina. A obra, a cargo da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL), precede a requalificação daquela praça ribeirinha, hoje dominada por um parqueamento à superfície, que desaparecerá.

Foi a solução encontrada após o parlamento da cidade ter rejeitado, em fevereiro de 2013, a edificação de um silo automóvel com quatro pisos - um deles subterrâneo - e capacidade para 382 veículos no Campo das Cebolas. Segundo a proposta aprovada em abril do ano passado na AML, o parque de estacionamento subterrâneo que começará a ser construído no início do próximo mês terá 230 lugares, 160 dos quais destinados a residentes e comerciantes da zona. Destes, 110 terão de ser afetos a "assinaturas mensais de 24 horas" e 50 a "assinaturas mensais para o período noturno". Haverá ainda 23 para "veículos de emissões zero, a tarifa zero", como os que são "movidos a eletricidade ou hidrogénio". Feitas as contas, restarão 47 lugares pagos à disposição de qualquer pessoa.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.