"Esta venda tem um custo muito elevado para os contribuintes"

Primeiro-ministro responsabiliza anterior governo por nada ter sido feito. PS, PCP e BE vão pedir inquérito parlamentar ao caso

António Costa, primeiro-ministro, anunciou este domingo à noite que a venda do Banif é uma solução que vai sair cara aos contribuintes, apontando o dedo à inércia do governo anterior que nada fez para apresentar um plano viável para o banco. O Banif foi vendido ao Santander Totta por 150 milhões euros, mas o Estado terá de investir 1,7 milhões de euros no processo de resolução.

Em comunicado o Banco de Portugal explicou que a venda "envolve um apoio público estimado de 2 255 milhões de euros que visam cobrir contingências futuras, dos quais 489 milhões de euros pelo Fundo de Resolução e 1 766 milhões de euros diretamente pelo Estado, em resultado das opções acordadas entre as autoridades portuguesas, as instâncias europeias e o Banco Santander Totta, para a delimitação do perímetro dos ativos e passivos a alienar".

A venda tem um custo muito elevado para os contribuintes, mas das opções possíveis é a melhor para defender os interesses nacionais

Hoje de manhã realiza-se um Conselho de Ministros extraordinário para aprovar um orçamento retificativo e o governo fará seguir o documento ainda durante o dia para a Assembleia da República. O agendamento da sua discussão fica a cargo do Parlamento. Entretanto, o PS, PCP e BE vão pedir um inquérito parlamentar ao caso Banif. O Observador escreve que a comissão será para investigar a gestão do anterior governo e do Banco de Portugal.

"A opção do Governo e do Banco de Portugal foi tomada tendo em conta os depositantes, os postos de trabalho, a salvaguarda económica das regiões autónomas e a sustentabilidade do sistema financeiro. A venda tem um custo muito elevado para os contribuintes, mas das opções possíveis é a melhor para defender os interesses nacionais. Protege todos os depositantes, incluindo as poupanças dos emigrantes, postos de trabalho e sistema financeiro", afirmou António Costa, referindo que embora "a resolução de instituição bancária seja dolorosa e catastrófica para os contribuintes, os balcões amanhã [hoje] do estarão a funcionar normalmente sob uma instituição bancária credível".

Na declaração, sem direito a perguntas, o primeiro-ministro atacou a inércia do governo anterior, que há um ano deveria ter apresentado um plano viável para o banco com origem madeirense. "O Governo foi confrontado com uma situação de emergência que era conhecida das autoridades portuguesas há mais de um ano. Desde 2013, o Governo estava obrigado a apresentar um plano de reestruturação" e nada foi feito, constatou António Costa.

O primeiro-ministro acrescentou que a Comissão Europeia exigiu "um plano credível de reestruturação até março deste ano", último prazo dado por Bruxelas ao governo português. "Passados nove meses nada estava solucionado", afirmou, referindo que a urgência obrigava a que a situação ficasse resolvida até este domingo e que se refletiu "no elevado custo desta solução".

(Atualizada às 00:59)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.