Esquerda e direita pedem "voz grossa" nos fundos 

As líderes do Bloco e do CDS admitem chumbo da proposta que prevê corte no desenvolvimento rural

Há um tema que parece juntar a esquerda e a direita parlamentares: a necessidade de Portugal se bater por mais fundos comunitários - embora, na prática, os alvos de Catarina Martins e de Assunção Cristas, que ontem se referiram ao assunto na Feira Nacional da Agricultura, em Santarém, sejam diferentes. A coordenadora do Bloco de Esquerda aproveitou o tema para criticar mais uma vez as regras da União Europeia, enquanto a presidente centrista centrou o seu ataque ao governo português.

"É preciso fazer voz grossa em Bruxelas, é preciso que o governo se empenhe nessa matéria e é preciso que dê o exemplo internamente. Se tem 16 mil candidaturas paradas e os agricultores têm 1,3 mil milhões de euros para receber, não temos tanta legitimidade para reclamar mais verbas", afirmou Cristas, para quem as notícias de Bruxelas não são boas. "Nem são boas para os agricultores, nem para o Orçamento do Estado, nem para a coesão territorial, nacional e europeia", disse, sublinhando que o governo "tem de trabalhar intensamente" nas "muitas rondas negociais" que tem pela frente.

O primeiro plano do orçamento apresentado na sexta-feira pela Comissão Europeia prevê um corte de 15% no desenvolvimento rural. Uma proposta que a coordenadora do Bloco de Esquerda entende que deve ser chumbada por Portugal, se não tiver alterações. A líder bloquista afirmou ontem, também em Santarém, que o seu partido "analisa com muita preocupação" as propostas do orçamento para o próximo quadro comunitário de apoio, não só pelos cortes na Política Agrícola Comum (PAC) como pelos previstos nos fundos de coesão, que "penalizam particularmente Portugal". "Portugal deve fazer uma reflexão global sobre o que significa a PAC e os fundos de coesão e o que é proposto para o nosso país", disse, frisando que "o governo português tem a possibilidade, e deve utilizá-la, de não aceitar este orçamento".

"Ou este orçamento é melhorado, ou faz algum sentido, ou, se não for, o governo português pode vetá-lo em Conselho Europeu como qualquer outro governo. Portugal não é mais nem menos do que qualquer outro país, mas o que não podemos aceitar é que sejam constantemente feitas regras da União Europeia que beneficiam os grandes países e que prejudicam países como Portugal", declarou.

Catarina Martins afirmou ainda que não só Portugal está a ser penalizado por ter criado emprego, como "não é aceitável" que os fundos que são retirados na PAC e nos fundos de coesão sejam "enviados para a indústria de armamento francesa, italiana e espanhola".

Também a líder centrista admite um chumbo do orçamento no Conselho Europeu caso a proposta se mantenha e exige ao governo" que "não aceite perder nenhum euro de verbas comunitárias para o desenvolvimento rural".

Assunção Cristas, que tutelou a pasta da Agricultura no anterior governo PSD-CDS, frisou que o efeito do corte de 15% no desenvolvimento rural "não é o mesmo" nos diferentes países, sendo "muito mais negativo" em Portugal, porque se, na média europeia, os agricultores recebem 80% no primeiro pilar (ajudas diretas) e 20% no segundo, em Portugal essa proporção é 50/50

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."