Esquerda diz sim ao OE 2017 após várias cedências do PS

O Orçamento para o próximo ano é hoje aprovado. As bancadas da oposição acusam o governo de pôr o país a marcar passo

A esquerda unida aprova hoje, em votação final global, o Orçamento do Estado para 2017. Oito meses depois da aprovação das contas públicas para este ano, a imagem de PS, Bloco de Esquerda, PCP e PEV a dar o sim ao Orçamento repete-se, desta vez com mais um voto, do deputado único do PAN. O fim do caminho parlamentar do Orçamento chega depois de várias cedências dos socialistas às bancadas à sua esquerda, muitas em matérias estruturantes do documento.

O debate que hoje se encerra até começou com Catarina Martins a defender que "este não é um orçamento de esquerda" e Jerónimo de Sousa a concordar: "Dizer que este é um orçamento de esquerda é manifestamente exagerado." A votação das mais de 400 propostas de alteração apresentadas pelos vários partidos não terá feito inverter a opinião de bloquistas e comunistas - que viram, aliás, chumbadas várias propostas - mas, e a julgar pelas declarações finais de ontem, a versão final diz mais qualquer coisa de esquerda do que a inicial. Entre as principais alterações aprovadas no debate em especialidade (artigo a artigo) contam-se as pensões que, depois do coro de críticas à direita e à esquerda, passa a contemplar um aumento de seis euros para as pensões mínimas; a integração dos precários do Estado na administração pública; a extensão dos escalões abrangidos pelo fim da sobretaxa já em janeiro; ou a taxação em 7,5% do património imobiliário sedeado em offshores.

Alterações que acabaram por ficar na sombra de um momento marcante, naquela que foi a grande pedra no sapato do governo durante a discussão na especialidade. A polémica em torno das declarações de património e rendimentos dos administradores da CGD foi correndo em paralelo com o debate até que, pela mão do PSD e com os votos do CDS e do BE, entrou com estrondo na própria discussão orçamental. Na última quinta-feira foi aprovada a proposta de alteração que obriga os gestores da CGD - incluindo os que têm mandatos em curso - a apresentar declarações de rendimentos. A aprovação desta norma tem sido apontada como o motivo último para a demissão entretanto apresentada pelo presidente da CGD, António Domingues.

Ontem, no encerramento do debate na especialidade, as bancadas à direita acusaram o governo de fazer "muita propaganda", mas deixar o país a marcar passo. Para o social-democrata Duarte Pacheco o orçamento "não promove o crescimento e agravou o endividamento. Pode assegurar a sobrevivência do governo, mas não é bom para o país". Já a centrista Cecília Meireles considerou que o orçamento se traduz em "muita propaganda, mas pouca essência".

Já o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares sublinhou que o debate na especialidade do OE foi "intenso" e admitiu que "com alguns excessos" - recorde-se que na última sexta-feira o secretário de Estado das Finanças, Mourinho Félix, incendiou os ânimos no Parlamento, ao dizer que um deputado do PSD sofria de "disfuncionalidade cognitiva temporária".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.