Espírito de solidariedade para ultrapassar a crise

A crise e a necessidade de um espírito de solidariedade para ultrapassar as situações difíceis marcaram hoje a homilia do bispo auxiliar do Porto, Pio Alves, na primeira missa da peregrinação aniversária de setembro ao Santuário de Fátima.

Falando perante alguns milhares de peregrinos presentes na Cova da Iria, Pio Alves, depois de apelar para que os católicos não coloquem a sua prioridade na busca de "culpados" ou "corresponsáveis na culpa dos desastres sociais", exortou-os à prática da solidariedade.

"Como cidadãos, temos o direito e o dever de, livremente, manifestar a nossa concordância ou discordância com o rumo traçado para a sociedade. Como cristãos, temos obrigação de não nos alhearmos dos reais problemas da sociedade e de, com realismo, cooperarmos para alimentar a esperança", disse Pio Alves.

Para o prelado, "não são alternativas mas inclusivas a atenção urgente aos mais carenciados e a revisão de questões estruturais da sociedade".

Segundo Pio Alves, "quem está a morrer de fome não poderá esperar um ano, um mês, uma semana que seja até que se resolvam problemas estruturais. É óbvio, por outra parte, que a atenção urgente a situações limite não dispensa a reconsideração ponderada de modelos alternativos de sociedade".

Neste contexto, soa "a mero discurso de circunstância a acusação indiscriminada de assistencialismo feita a quem, no dia a dia responde, com obras, à fome, à sede, ao frio", disse o bispo auxiliar do Porto, para quem "o verdadeiro progresso de um povo não pode esquecer a pobreza, mas não se mede apenas pela quantidade de bens materiais disponíveis e pela equidade na sua distribuição".

A peregrinação de setembro ao Santuário de Fátima decorre até quinta-feira, subordinada ao tema "Construtores de uma sociedade solidária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.