Espírito de solidariedade para ultrapassar a crise

A crise e a necessidade de um espírito de solidariedade para ultrapassar as situações difíceis marcaram hoje a homilia do bispo auxiliar do Porto, Pio Alves, na primeira missa da peregrinação aniversária de setembro ao Santuário de Fátima.

Falando perante alguns milhares de peregrinos presentes na Cova da Iria, Pio Alves, depois de apelar para que os católicos não coloquem a sua prioridade na busca de "culpados" ou "corresponsáveis na culpa dos desastres sociais", exortou-os à prática da solidariedade.

"Como cidadãos, temos o direito e o dever de, livremente, manifestar a nossa concordância ou discordância com o rumo traçado para a sociedade. Como cristãos, temos obrigação de não nos alhearmos dos reais problemas da sociedade e de, com realismo, cooperarmos para alimentar a esperança", disse Pio Alves.

Para o prelado, "não são alternativas mas inclusivas a atenção urgente aos mais carenciados e a revisão de questões estruturais da sociedade".

Segundo Pio Alves, "quem está a morrer de fome não poderá esperar um ano, um mês, uma semana que seja até que se resolvam problemas estruturais. É óbvio, por outra parte, que a atenção urgente a situações limite não dispensa a reconsideração ponderada de modelos alternativos de sociedade".

Neste contexto, soa "a mero discurso de circunstância a acusação indiscriminada de assistencialismo feita a quem, no dia a dia responde, com obras, à fome, à sede, ao frio", disse o bispo auxiliar do Porto, para quem "o verdadeiro progresso de um povo não pode esquecer a pobreza, mas não se mede apenas pela quantidade de bens materiais disponíveis e pela equidade na sua distribuição".

A peregrinação de setembro ao Santuário de Fátima decorre até quinta-feira, subordinada ao tema "Construtores de uma sociedade solidária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.