Esperada grande afluência na peregrinação de 12 e 13

A GNR espera "grande afluência" na peregrinação de 12 e 13 de maio ao Santuário de Fátima e vai mobilizar meio milhar de efetivos para a cidade, transformada num estaleiro devido às obras de requalificação no centro.

O comandante territorial da GNR de Santarém, coronel Corte Real, admitiu "um fim de semana crítico" e revelou que um dos cenários de ação prevê o desvio do tráfego na autoestrada do Norte (A1) para as saídas de Torres Novas e de Leiria, procurando evitar o estrangulamento no nó de acesso a Fátima.

O mesmo responsável aconselhou os peregrinos que se deslocam a Fátima nestes dois dias a utilizarem estradas alternativas, sublinhando que a utilização do IC9 (Itinerário Complementar) - recentemente aberto - pode constituir uma mais-valia.

Hoje, em conferência de imprensa, o comandante explicou que a GNR está preparada para uma afluência na ordem dos 300 mil peregrinos no Santuário de Fátima à qual se somam constrangimentos provocados pela requalificação urbana que condicionam ou impossibilitam a circulação automóvel no centro da cidade.

Os peregrinos que chegam de carro são ainda aconselhados a não deixarem a viagem para Fátima para o último momento e a estacionarem de imediato nos parques cujo acesso é feito pela Avenida Beato Nuno e pela Avenida João XXII.

O comandante da GNR de Santarém explicou aos jornalistas que este ano aguarda mais pessoas e mais autocarros.

"Dois fatores podem pesar na grande afluência que esperamos: por um lado, a situação político e económica que o país atravessa e, por outro, o facto deste evento coincidir com o fim de semana", esclareceu.

Corte Real sustentou que "o povo português, em momentos de crise agarra-se à sua crença" e, por isso, "as famílias em que abundam as dificuldades não deixarão de vir a Fátima, muitas delas em autocarros de forma a poupar algum dinheiro".

A operação da GNR, identificada como "uma força de segurança humana, próxima e peregrina", reforçou as patrulhas de trânsito - oriundas de Lisboa, Setúbal e Leiria -, e conta também com militares a fazerem a vigilância em bicicleta e a cavalo.

A GNR vai ter preparadas, ainda, equipas cinotécnicas de inativação de explosivos e um pelotão de Ordem Pública.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.