Esperada grande afluência na peregrinação de 12 e 13

A GNR espera "grande afluência" na peregrinação de 12 e 13 de maio ao Santuário de Fátima e vai mobilizar meio milhar de efetivos para a cidade, transformada num estaleiro devido às obras de requalificação no centro.

O comandante territorial da GNR de Santarém, coronel Corte Real, admitiu "um fim de semana crítico" e revelou que um dos cenários de ação prevê o desvio do tráfego na autoestrada do Norte (A1) para as saídas de Torres Novas e de Leiria, procurando evitar o estrangulamento no nó de acesso a Fátima.

O mesmo responsável aconselhou os peregrinos que se deslocam a Fátima nestes dois dias a utilizarem estradas alternativas, sublinhando que a utilização do IC9 (Itinerário Complementar) - recentemente aberto - pode constituir uma mais-valia.

Hoje, em conferência de imprensa, o comandante explicou que a GNR está preparada para uma afluência na ordem dos 300 mil peregrinos no Santuário de Fátima à qual se somam constrangimentos provocados pela requalificação urbana que condicionam ou impossibilitam a circulação automóvel no centro da cidade.

Os peregrinos que chegam de carro são ainda aconselhados a não deixarem a viagem para Fátima para o último momento e a estacionarem de imediato nos parques cujo acesso é feito pela Avenida Beato Nuno e pela Avenida João XXII.

O comandante da GNR de Santarém explicou aos jornalistas que este ano aguarda mais pessoas e mais autocarros.

"Dois fatores podem pesar na grande afluência que esperamos: por um lado, a situação político e económica que o país atravessa e, por outro, o facto deste evento coincidir com o fim de semana", esclareceu.

Corte Real sustentou que "o povo português, em momentos de crise agarra-se à sua crença" e, por isso, "as famílias em que abundam as dificuldades não deixarão de vir a Fátima, muitas delas em autocarros de forma a poupar algum dinheiro".

A operação da GNR, identificada como "uma força de segurança humana, próxima e peregrina", reforçou as patrulhas de trânsito - oriundas de Lisboa, Setúbal e Leiria -, e conta também com militares a fazerem a vigilância em bicicleta e a cavalo.

A GNR vai ter preparadas, ainda, equipas cinotécnicas de inativação de explosivos e um pelotão de Ordem Pública.

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.