Escola secundária de Évora sem aulas por não ter "condições mínimas"

Escola está aberta, mas com as atividades letivas suspensas devido à falta de funcionários e necessidade de obras

A Escola Secundária André de Gouveia, em Évora, está hoje sem aulas por não existirem "as condições mínimas" para funcionar, devido à falta de funcionários, impossibilidade de fornecer refeições e necessidade de obras, disse a diretora.

"Hoje não há aulas porque chegámos a uma rutura e não temos as condições mínimas para a escola estar a funcionar", frisou à agência Lusa Maria de Lurdes Batista, diretora do estabelecimento escolar.

A escola, com cerca de 600 alunos, do 7.º ao 12.º ano, está aberta, mas com as atividades letivas suspensas, durante todo o dia, numa decisão da direção da escola, em conjunto com a associação de pais, professores e funcionários.

"Estamos parados para que a comunidade escolar possa reunir e para verificarmos quais as condições que podemos dar aos alunos na quinta-feira, porque já vai haver aulas, mas com espaços encerrados", explicou a diretora.

Segundo Maria de Lurdes Batista, o estabelecimento enfrenta "vários problemas" e, "nos últimos dois anos e meio", comunicou essas dificuldades "às secretarias de Estado e ao ministro" da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, assim como "ao Presidente da República, ao primeiro-ministro, aos deputados e aos candidatos à Câmara de Évora" nas recentes eleições autárquicas.

"Todos sabem do que se passa e estamos à espera que nos digam alguma coisa superiormente e que arranjem soluções urgentes para minorar esta situação", argumentou.

Na Escola Secundária André de Gouveia, relatou a diretora, deviam trabalhar "24 assistentes operacionais", mas, atualmente, "devido às baixas, de curta e longa duração, apenas há 12 funcionários".

"Não há funcionários para o espaço todo e, agora, temos mais alguns de baixa. Aliás, temos estado a funcionar com pavilhões sem ninguém, são os professores que vão buscar a chave e resolvem os assuntos sozinhos", indicou.

O fornecimento de refeições é outro dos problemas, acrescentou.

"A canalização da cozinha é tubo galvanizado, com 40 anos. É velha, está toda ferrugenta e entrou em rutura em vários sítios. Quando arranjamos a tubagem num sítio, rebenta noutro", relatou.

Perante esta situação, as refeições têm estado a ser confecionadas em duas outras escolas, sendo depois transportadas para a André de Gouveia em marmitas, para distribuir aos alunos, "em pratos de plástico, visto que não se podiam lavar e higienizar os outros pratos".

"Tem sido horrível, porque não é condição nenhuma fazer parte da comida num sítio, outra noutro e transportá-la para a escola", mas, na terça-feira, a situação complicou-se ainda mais, porque "uma cozinheira, que já tinha uma tendinite, deu um jeito a carregar marmitas pesadas e ficou de baixa", contou a diretora.

A necessidade de obras na escola, para substituir a instalação elétrica, que "também é velha", ou para reparar o chão de salas de aulas e um pavilhão "onde entra chuva", é outra das reclamações da direção da escola, que vai reunir, hoje de tarde, com os pais e diretores de turma, para analisar o reinício das aulas, na quinta-feira.

"Estamos concentrados e vamos pensar o que podemos fazer", disse, explicando que a ideia passa por abrir normalmente na quinta-feira, mas "com o refeitório fechado e reforço do 'buffet', para que os alunos, mesmo que não tenham uma alimentação quente, terem mais fruta, sandes" e outros alimentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.