Epidemia de sarampo em 2017 teve dois surtos coincidentes

Tecnicamente, não existiu um mas dois surtos de sarampo, revela o presidente do Instituto Ricardo Jorge

A epidemia de sarampo em fevereiro de 2017, que causou um morto e infetou 27 pessoas, teve dois surtos com origens em diferentes subtipos do vírus que coincidiram no tempo, revelou à Lusa o presidente do laboratório de referência nacional.

Em entrevista à agência Lusa, o presidente do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA) afirmou que, tecnicamente, não existiu um surto de sarampo, mas sim dois surtos.

Fernando Almeida referia-se à epidemia de sarampo, iniciada em fevereiro de 2017 e dada como terminada a 05 de julho do mesmo ano, que causou a morte de uma jovem que não estava vacinada e infetou 27 pessoas.

Com a intervenção do Instituto, foi possível "fazer a caracterização genotípica", através da qual se identificam os vários tipos e subtipos de sarampo.

Segundo Fernando Almeida, essa avaliação concluiu que nesta epidemia existiram dois subtipos de vírus do sarampo: um que começou no sul, no Algarve, e outro que começou na região de Lisboa.

"Tecnicamente, apesar de ter havido uma coincidência temporal, foram dois surtos que aconteceram", disse.

Para Fernando Almeira, "isto é importante sob o ponto de vista epidemiológico, porque permite perceber com maior facilidade quais foram as fontes comuns de infeção: No Algarve, provavelmente terá a ver com uma fonte oriunda de um país estrangeiro do norte da Europa e o de Lisboa com um país do leste da Europa".

"Os tipos que estavam a circular nesse país do norte eram os mesmos do Algarve e o tipo do sarampo que estava em Lisboa era o mesmo que circulava na Europa de leste", prosseguiu.

Fernando Almeida reiterou a importância da vacina e considera que esta epidemia veio demonstrar isso mesmo: "É preciso vacinarmo-nos e as vacinas funcionam".

O presidente do INSA alertou para o facto de o vírus do sarampo circular "cada vez menos em Portugal".

"Quem teve sarampo está, à partida, mais protegido do que aqueles que só tiveram contacto com o sarampo através da vacina", disse.

Fernando Almeida recordou que "as mães que antigamente tiveram sarampo transmitiam ao feto esses anticorpos e eles já saíam com alguma defesa reforçada".

Hoje, "a maior parte das mães já não contactou com o vírus".

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.