Entrevista de Marcelo ao DN. Cada cabeça, sua sentença

Afinal, o Presidente procedeu ou não a um "subtil afastamento" em relação ao governo com a sua entrevista ao DN? Três comentadores do DN dizem três coisas diferentes

Se Marcelo Rebelo de Sousa queria fugir a unanimismos, então conseguiu, com a entrevista que o DN publicou no passado fim de semana. Três comentadores do DN - António Barreto, João Taborda da Gama e Pedro Marques Lopes - comentam-na quase sem pontos de acordo entre uns e outros, para não dizer mesmo oposto. Pergunta: a entrevista do Presidente da República significou ou não, como disse Marques Mendes, um "subtil afastamento" em relação ao governo?

"Não", respondeu ao DN o comentador Pedro Marques Lopes, gestor de empresas. "Eu não consigo ver nenhum afastamento. Nem aproximação, aliás", afirma, sustentando que a principal diferença do "atual" Marcelo em relação ao Marcelo inicial será mais no tom: agora mais "sóbrio", ou seja, "menos histriónico" do que no início do mandato.

Quem parece sintonizado com esta ideia é o advogado e ex-ministro socialista António Vitorino. Na terça-feira, na SIC, Vitorino ironizou dizendo que foi "tão subtil a demarcação" do Presidente da República em relação ao governo, "que se o Dr. Marques Mendes não a tivesse referido passava despercebida".

Gestor de distâncias

Outro comentador semanal do DN, o jurista João Taborda da Gama, discorda de Pedro Marques Lopes - mas sem ir exatamente ao encontro do que disse Luís Marques Mendes na SIC (para o ex-líder do PSD, Marcelo "sabe que está no centro da vida política e que o distanciamento, às vezes, é bom conselheiro", por isso "deixou de ser o que às vezes alguns apelidavam de "porta-voz do governo"".

O que se passa, afirma Taborda da Gama, é que "o Presidente da República vai continuar a ser exímio a gerir aproximações e afastamento e as aparências disso". Marcelo - diz ainda o comentador do DN - sabe que é nessa gestão "que reside a sua força", e essas aproximações e esse afastamento surgem dentro da própria entrevista - nuns momentos o PR parece mais sintonizado com o governo, noutros menos. Seja como for, nenhuma mudança estrutural nem no conteúdo nem no tom.

Um antes e um depois

Quem está a milhas destas perspetivas é um outro comentador semanal do DN, António Barreto. O sociólogo afirma que a entrevista, por ter sido "muito palavrosa, às vezes quase torrencial", fez lembrar Marcelo nos seus tempos de comentador político.

O Presidente - disse ainda - revelou "inteligência e contundência" e a entrevista assinala, no seu entender, "um antes e um depois" na sua relação com o governo liderado por António Costa.

"Linhas vermelhas"

Para Barreto, Marcelo Rebelo de Sousa foi "pacífico, afável, cordial e agregador", mas sem "desenhar linhas vermelhas" ao governo - porque tanto no caso do incêndio de Pedrógão Grande como no do desaparecimento de material militar em Tancos "houve demasiadas falhas".

De acordo com o sociólogo, o Presidente da República "mantém o apoio ao governo", mas diz que, a partir de agora, "os problemas têm de ser resolvidos". "O que Marcelo disse é que nada disto é de borla, que o apoio não é automático."

No caso de Tancos, acrescenta, "revelou-se um caos político e militar como há muito não se via". E o Presidente desenha agora as suas "linhas vermelhas" de exigência ao governo porque percebeu que, enquanto Chefe Supremo das Forças Armadas, "corria o risco de ficar embrulhado".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.