Ministro não arreda pé no "combate para dar a volta às praxes"

Ministro quer "práticas positivas nas praxes académicas" e o fim das praxes "negativas e humilhantes"

O ministro do Ensino Superior, Manuel Heitor, defendeu hoje que é preciso "não arredar pé" no "combate para dar a volta às praxes", promovendo as práticas positivas, em detrimento das que são "negativas e humilhantes".

"É um combate que temos de encarar todos, os dirigentes, os estudantes, as famílias, os amigos, os vizinhos dos vizinhos, porque é um processo social e temos de encará-lo ano após ano", afirmou, em declarações aos jornalistas na Universidade de Évora.

O ministro que tutela as pastas da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior considerou que "há sensibilização" sobre a necessidade de práticas positivas nas praxes académicas, nas universidades e politécnicos, mas "nunca é suficiente".

"Hoje, em todo o país, incluindo em Évora, temos processos muito positivos de integração" dos novos alunos, que contribuem para transformar e identificar "o ensino superior como um espaço de tolerância e de diálogo aberto", destacou.

Mas, ao mesmo tempo, sublinhou, "persistem na sociedade portuguesa", não só essas boas práticas, "como práticas particularmente negativas e humilhantes, onde os mais novos são humilhados pelos mais velhos".

"E, por isso, temos de as combater diariamente. É para isso que cá estamos, para não arredar pé neste combate de dar a volta às praxes", enfatizou.

Na deslocação que efetuou hoje à Universidade de Évora, o ministro participou numa sessão com novos estudantes da academia alentejana, no âmbito do programa "Exarp", que apoia iniciativas promotoras da liberdade e emancipação dos jovens e da sua melhor integração no ensino superior.

O "Exarp", que conta com o impulso da Direção-Geral do Ensino Superior, apela "à promoção clara e inequívoca de práticas de receção e integração dos estudantes no ensino superior através da ciência e da cultura, entre outras iniciativas de âmbito cívico, social ou desportivo".

O objetivo do programa, realçou hoje o governante, é "mobilizar boas práticas para que os estudantes sejam integrados e identifiquem o ensino superior como um espaço de diálogo, de cultura, de tolerância e onde não seja permitida, sobretudo, uma identificação de estudar com a humilhação".

Manuel Heitor participou também numa reunião com investigadores, realçando aos jornalistas que este é "um ano particularmente importante na área da Ciência, porque irá corresponder a uma nova avaliação das unidades de investigação".

Ao final da tarde, o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior vai assistir ainda, na academia alentejana, à conferência "The Higgs particle and our life", com a presença de Fabiola Gianotti, a diretora-geral do Centro Europeu de Investigação Nuclear (CERN), entre outros especialistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.