Enfermeiros do Hospital de Santarém marcam três dias de greve

Paralisação foi decidida em plenário

Os enfermeiros do Hospital de Santarém marcaram uma greve de três dias a partir de terça-feira em protesto contra a "situação grave" provocada pela falta de profissionais nesta unidade de saúde.

Em comunicado, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) afirma que a paralisação foi decidida em plenário, tendo sido dado ao Ministério da Saúde "um prazo limite para a resolução dos problemas identificados que decorrem desta carência".

Em concreto, o SEP referiu, em ofício enviado à tutela, a "diminuição do rácio por turno, o aumento exponencial do trabalho extraordinário, a abolição dos descansos, a não substituição de ausências por maternidade, por doença e ausências definitivas".

"Estes fatores contribuem para o aumento do absentismo e 'burnout' das equipas", alerta.

Segundo o SEP, no Hospital de Santarém "faltam 100 enfermeiros de acordo com as regras de Dotações Seguras".

O sindicato afirma que a administração do Hospital de Santarém reportou uma necessidade de 28 enfermeiros para compensar a passagem dos Contratos Individuais de Trabalho (CIT) para as 35 horas de trabalho semanal e de mais 10 para repor as saídas de 10 profissionais entre outubro de 2017 e abril último.

"Obrigatoriamente têm de ser admitidos 38 enfermeiros", afirma o SEP, adiantando que a administração solicitou até ao momento autorização para a contratação de 49 profissionais.

"Como se constata, entre a obrigatoriedade do número de enfermeiros a contratar e as necessidades de acordo com o regulamento da profissão existe uma enorme discrepância. Ainda assim, do Governo, nem uma nem outra!", afirma o SEP.

A greve inicia-se às 08:00 de terça-feira, estando agendada uma concentração à porta do Hospital pelas 11:00, decorrendo até às 24:00 de quinta-feira, dia em que se realizará, pelas 11:00, um cordão humano com profissionais e utentes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.