Enfermeiros do Hospital de Santarém marcam três dias de greve

Paralisação foi decidida em plenário

Os enfermeiros do Hospital de Santarém marcaram uma greve de três dias a partir de terça-feira em protesto contra a "situação grave" provocada pela falta de profissionais nesta unidade de saúde.

Em comunicado, o Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) afirma que a paralisação foi decidida em plenário, tendo sido dado ao Ministério da Saúde "um prazo limite para a resolução dos problemas identificados que decorrem desta carência".

Em concreto, o SEP referiu, em ofício enviado à tutela, a "diminuição do rácio por turno, o aumento exponencial do trabalho extraordinário, a abolição dos descansos, a não substituição de ausências por maternidade, por doença e ausências definitivas".

"Estes fatores contribuem para o aumento do absentismo e 'burnout' das equipas", alerta.

Segundo o SEP, no Hospital de Santarém "faltam 100 enfermeiros de acordo com as regras de Dotações Seguras".

O sindicato afirma que a administração do Hospital de Santarém reportou uma necessidade de 28 enfermeiros para compensar a passagem dos Contratos Individuais de Trabalho (CIT) para as 35 horas de trabalho semanal e de mais 10 para repor as saídas de 10 profissionais entre outubro de 2017 e abril último.

"Obrigatoriamente têm de ser admitidos 38 enfermeiros", afirma o SEP, adiantando que a administração solicitou até ao momento autorização para a contratação de 49 profissionais.

"Como se constata, entre a obrigatoriedade do número de enfermeiros a contratar e as necessidades de acordo com o regulamento da profissão existe uma enorme discrepância. Ainda assim, do Governo, nem uma nem outra!", afirma o SEP.

A greve inicia-se às 08:00 de terça-feira, estando agendada uma concentração à porta do Hospital pelas 11:00, decorrendo até às 24:00 de quinta-feira, dia em que se realizará, pelas 11:00, um cordão humano com profissionais e utentes.

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."