Enfermeiros avisam que se caminha para um "SNS para pobrezinhos"

Ana Rita Cavaco duvida que seja possível atualmente um pacto para a saúde

O financiamento e a forma de gerir a Saúde vão estar no centro do debate do Congresso dos Enfermeiros, que hoje começa, com a Ordem a avisar que Portugal caminha para "um Serviço Nacional de Saúde para pobrezinhos".

Cerca de mil pessoas são esperadas no V Congresso dos Enfermeiros, que decorre até domingo em Lisboa, segundo estima a organização, que salienta que a inscrição dos enfermeiros é gratuita.

Em entrevista à agência Lusa, a bastonária dos Enfermeiros refere que o financiamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS) é um tema que urge debater, apesar de duvidar que seja possível atualmente um pacto para a saúde.

"Acredito que [um pacto para a saúde] é possível, mas só com determinados intervenientes. Será possível, mas têm de ser as pessoas certas. Não tenho a certeza se hoje todas as pessoas que compõem a área da saúde são as mais acertadas para compor esse pacto", afirmou Ana Rita Cavaco.

Contudo, a representante dos enfermeiros reconhece que era importante e urgente um pacto nesta área: "Daqui a pouco, o que vamos ter é uma sombra do que era o SNS. E temos de pensar se queremos um SNS para pobrezinhos, porque é para lá que estamos a caminhar".

Quanto ao financiamento e à forma de gestão do SNS, Ana Rita Cavaco considera que é sobretudo um "problema de subfinanciamento", mas não só, defendendo que é necessária outra forma de financiar o sistema.

"A forma como estamos a financiar o SNS está progressivamente a ser abandonada por outros países", indica a bastonária, defendendo um financiamento "por pacote de tratamento às pessoas" e não por atos de saúde.

Ana Rita Cavaco considera que, enquanto se financiar o número de atos, "há uma perversidade do sistema", insistindo que se deve "financiar o que é praticado a uma pessoa no seu conjunto, sejam atos médicos, de enfermagem ou outros, abarcando o resultado final da intervenção".

Exclusivos

Premium

Clássico

Mais de 55 milhões de euros separam plantéis de Benfica e FC Porto

Em relação à época passada, os encarnados ultrapassaram os dragões no que diz respeito à avaliação do plantel. Bruno Lage tem à sua disposição um lote de jogadores avaliado em 310,7 milhões de euros, já Sérgio Conceição tem nas mãos um grupo que vale 255,5 milhões. Neste sábado, no Estádio da Luz, defrontam-se pela primeira vez esta temporada.