Encontrada menina dada como desaparecida em Oliveira de Azeméis

Criança foi levada por um taxista para a casa dos avós

Na quinta-feira, uma menina de nove anos foi dada como desaparecida em Oliveira de Azeméis, no distrito de Aveiro. Porém, afinal ela encontrava-se em casa dos avós.

Eram cerca de 19 horas quando a menina resolveu sair de casa dos pais em direção à casa dos padrinhos, situada a cerca de 150 metros de distância, o que não viria a acontecer, apesar do curto trajeto que separa estas duas habitações.

Ao se terem deparado com o acontecimento, tanto os pais como os padrinhos alertaram a PSP e a GNR por volta das 22 horas, no sentido de a encontrar, tendo a informação sido transmitida à Polícia Judiciária já pela madrugada.

Segundo informação da Polícia Judiciária do Porto avançada ao Notícias ao Minuto, a menina foi encontrada por um taxista na manhã desta sexta-feira, que achou estranho o facto de ela se encontrar sozinha na rua, e levou-a até à casa dos avós. Durante o tempo em que se procurava pela criança, não houve qualquer qualquer contacto estabelecido tanto por parte dos pais como por parte dos avós, o que gerou apreensão e desconhecimento.

As buscas decorreram até esta sexta-feira de manhã, quando os pais descobriram que, afinal, a menina estava na casa dos avós desde as 21 horas do dia anterior.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.